Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Audiência em Salvador para debater projeto da Escola sem Partido tem protesto - Jornal Brasil em Folhas
Audiência em Salvador para debater projeto da Escola sem Partido tem protesto


Durou cerca de quatro horas, a audiência pública do projeto de lei Escola sem Partido, que ocorreu hoje (29), na Câmara de Vereadores de Salvador. O encontro foi promovido pela comissão especial da Câmara dos Deputados onde o projeto tramita, e tem como objetivo debater o tema com a população. Houve protesto dentro e fora da Câmara, e os defensores do projeto saíram durante os debates sem falar com a imprensa.

Antes do início do seminário, manifestantes se concentraram em frente à Câmara Municipal de Vereadores e se posicionaram contra o projeto e contra a presença do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC), devido ao posicionamento favorável ao projeto e à relação de parentesco com o deputado Jair Bolsonaro (PSC), de quem é filho, cujas pautas contrariam o que defendem os manifestantes.

Ainda em frente à Câmara Municipal, dois manifestantes chegaram a ser detidos pela Polícia Militar, mas liberados em seguida. Segundo a assessoria de imprensa da corporação, os dois rapazes “foram contidos e não presos, e nem foram encaminhados para a delegacia”. A alegação é de que ambos atiravam objetos contra a fachada da Câmara.

Do lado de dentro, o clima também foi tenso. Defensores e opositores de Bolsonaro bateram boca e trocaram ofensas, enquanto a mesa se formava para início do debate. O presidente dos trabalhos foi o deputado federal João Carlos Bacelar (PTN), um dos membros da comissão especial em Brasília. Ele teve dificuldades em manter a ordem no andamento da sessão, interrompida diversas vezes sob ameaça de suspensão, devido aos gritos que impediam os pronunciamentos dos integrantes da mesa de trabalho.

Durante o debate, as falas se intercalavam entre um representante a favor e um contra o PL 7.180/2014. Entre os favoráveis à proposta que integraram a mesa, estiveram o deputado Eduardo Bolsonaro, o vereador de Salvador Alexandre Aleluia (DEM) e o fundador do Movimento Escola Sem Partido e idealizador do projeto, Miguel Nagib. Todos ressaltaram que o papel dos professores deve ser o de “passar conhecimento, não ideologia”.

Defensores do projeto

O primeiro a defender a ideia da escola sem partido foi o procurador de Justiça de São Paulo Miguel Nagib, que levou aos presentes a proposta de impedir “que os professores assediem os alunos a favor da própria ideologia”. Segundo ele, há uma tentativa de fazer com que os estudantes pensem igual, sob o risco de serem prejudicados nas notas, caso façam diferente. Durante a apresentação, Nagib citou publicações do Facebook, onde pais de alunos se dizem “preocupados com a doutrinação” de “militantes disfarçados de professores”.

Nagib ainda distribuiu panfletos de sua autoria, contendo seis deveres do professor, caso o projeto seja aprovado, como “não favorecer ou prejudicar alunos”, “respeitar a vontade dos pais sobre a educação religiosa”, “não se aproveitar da audiência cativa dos alunos para promover os próprios interesses”.

Por sua vez, o deputado Eduardo Bolsonaro foi vaiado continuamente pela plateia que compareceu ao debate, ao acusar os professores de difundir o comunismo nas escolas. Devido às interrupções, vaias e gritos, o deputado federal encerrou a fala antes do tempo previsto e exibiu um vídeo da internet, para os presentes. O barulho, no entanto, tornou a mídia inaudível e fez com que a exibição fosse interrompida.

A dificuldade em falar diante das manifestações de membros do Sindicato dos Professores e de movimentos sociais também foi vivenciada pelo vereador Alexandre Aleluia. Para ele, a ideia de limitar o papel dos professores é uma demanda dos pais de estudantes, que precisam saber “todas as versões de um fato”, sem ideologia imposta. Aleluia também não conseguiu espaço suficiente para expor os pontos de vista e acabou interrompido devido aos gritos e vaias.

Críticas à proposta

Um dos convidados para contestar o projeto foi o professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense (UFF), Fernando Pena. Após contestar e rebater as falas dos defensores da proposta, Pena criticou a “tentativa de acabar com a ideia de escola com dimensão educacional”.

Segundo ele, é importante que os professores estejam inseridos no contexto do debate, porque são objeto do projeto. Além disso, o educador criticou a decisão dos defensores da Escola sem Partido de deixar o debate sem aguardar o momento das perguntas dos presentes. “Eles não falam sobre o projeto, mas ficaram acusando os professores de serem comunistas e trazendo a polêmica”, criticou o pesquisador da UFF”, afirmou.

O Coordenador-Geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Cara, também criticou o projeto. Para ele, é importante que esteja no debate quem lida com as questões da educação, em todos os âmbitos. Ele ainda destaca que a questão jurídica mostra que o projeto é inconstitucional e, além disso, é “contra o respeito às pessoas”.

“O projeto é contrário à boa prática pedagógica, porque o professor, para lecionar, precisa estar seguro e o projeto estabelece um tribunal pedagógico, que vai fazer o processo do ensino/aprendizagem sempre ser julgado de maneira equivocada a partir de uma moral dos pais que não pode ser superior à discussão dentro da escola”, argumentou Daniel Cara.

Participação do público

Após a exposição dos membros da mesa, o debate foi aberto para os presentes que quiseram falar sobre o assunto. Subiram à tribuna, estudantes, militantes do movimento LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), professores e integrantes do sindicato que representa a categoria. Eles acusam o projeto de limitar o papel do professor de “incentivar o senso crítico e incentivar as práticas de cidadania”, como o respeito às diferenças de religião, de gênero, cor e sexualidade.

Nenhum participante da plateia favorável ao projeto quis aproveitar a oportunidade para defender a proposta. Ao final do evento, o deputado federal João Carlos Bacelar declarou sua posição contrária ao PL e confessou estar preocupado com a tramitação, porque “será difícil barrar o projeto em Brasília”.

O deputado pediu mobilização da população. “A comissão vem democratizando essa discussão, mas, em termos práticos, acho muito difícil barrar esse projeto na comissão, porque é formada majoritariamente por deputados que são adeptos dessa teoria. É preciso muita mobilização popular, porque o projeto é autoritário e retrógrado, que traz uma mordaça para os professores”.

 

Últimas Notícias

Índice de registro de imóveis pode melhorar transações no país
Programa para receber declaração do IR estará disponível segunda-feira
Paulo Guedes espera aprovação da reforma da Previdência até junho
Doria anuncia redução do aumento do preço médio do gás em São Paulo
Pesquisador em Engenharia Aeroespacial assume presidência do CNPq
Ortega anuncia retomada do diálogo com a sociedade organizada
Empresária vítima de tentativa de feminicídio no Rio deixa hospital
Atriz Fernanda Montenegro recebe alta de hospital no Rio

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212