Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Fracassam novas negociações entre Argentina e fundos especulativos - Jornal Brasil em Folhas
Fracassam novas negociações entre Argentina e fundos especulativos


A Argentina e os fundos especulativos mais difíceis que venceram uma disputa sobre o default da dívida não chegaram a um acordo nas novas negociações sobre a oferta de pagamento do país sul-americano, informou nesta sexta-feira o mediador judicial.

As reivindicações dos quatro fundos mais difíceis, entre eles NML Capital e Aurelius, não foram resolvidas nesta semana, declarou o mediador Daniel Pollack em um comunicado.

Pollack indicou que as negociações em Nova York se estenderam até tarde da noite e vão continuar.

O novo governo de centro-direita do presidente Mauricio Macri apresentou em 5 de fevereiro em Nova York uma oferta para pagar 6,5 bilhões de dólares aos fundos especulativos e outros credores e acabar assim com o bilionário litígio da dívida que data de 2001.

A oferta, apresentada ao final de cinco dias de árduas negociações, envolve um desconto de 25% sobre um passivo reconhecido de 9 bilhões de dólares em acórdãos do juiz federal americano Thomas Griesa.

Dois dos seis principais fundos especulativos que venceram o julgamento em Nova York aceitaram a proposta, mas os outros quatro, que em 2012 obtiveram uma decisão favorável para cobrar uma dívida que totaliza hoje 1,7 bilhão, rejeitaram.

Também participam nas negociações, separadamente, outros queixosos detentores de títulos inadimplentes chamados me too, que se somaram ao processo em meados de 2014 elevando o montante total a 9 bilhões de dólares.

O anúncio do fracasso das novas negociações ocorre após o governo argentino pedir na quinta-feira ao juiz Griesa para cancelar a ordem impedindo o acesso aos mercados de capital e o pagamento de parte de sua reestruturação da dívida.

O governo de centro-esquerda anterior de Cristina Kirchner (2007-2015) havia rejeitado a decisão de Griesa, que congelou em julho de 2014 um pagamento de 539 milhões de dólares em Nova York aos obrigacionistas que aderiram aos swaps de 2005 e 2010, causando um default parcial da Argentina.

Estas reestruturações, rejeitadas pelos fundos chamados abutres e outros demandantes, foram aceitas por 93% dos credores.

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212