Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Petrobras sobe mais de 7% e puxa ganhos do Ibovespa em dia de disparada do petróleo - Jornal Brasil em Folhas
Petrobras sobe mais de 7% e puxa ganhos do Ibovespa em dia de disparada do petróleo


SÃO PAULO - O Ibovespa segue em alta nesta sexta-feira (12) corrigindo as perdas da última sessão, no mesmo movimento registrado pelas bolsas norte-americanas. Anima os mercados a possibilidade de um acordo da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para cortar a produção do petróleo, que hoje dispara. Além disso, o resultado melhor que o previsto do Commerzbank trouxe otimismo diante de todo o temor com a situação dos bancos da zona do euro. Por aqui, os investidores repercutem o adiamento do anúncio dos cortes do Orçamento para março.

Às 16h45 (horário de Brasília), o benchmark da Bolsa brasileira subia 1,07%, a 39.740 pontos. Já o dólar comercial opera em alta de 0,36% a R$ 3,9981 na venda, enquanto o dólar futuro para março tem queda de 0,22% a R$ 4,013. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2017 cai 2 pontos-base a 14,44%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 cai 1 ponto-base a 16,11%.

Segundo Pablo Spyer, diretor da mesa de trade da Mirae Asset, os investidores brasileiros continuam com medo do que o Federal Reserve pode fazer e da saúde dos bancos europeus, sabidamente expostos às fragilizadas empresas do setor de Óleo e Gás. Uma possibilidade de acordo da Opep, neste contexto, traz um bem-vindo alento. A Opep está falando que está disposta a diminuir a produção. O que é importante saber é que os detentores de poços de petróleo também são detentores de ações de bancos dos EUA. Então eles se preocupam com a queda do mercado e o custo de penalizar a Rússia tem limite, afirma, explicando o porquê de ser bastante verossímil um acordo a esta altura de campeoonato.

Nos Estados Unidos, os índices Dow Jones e S&P 500 abriram com altas de 0,7% e 0,8% respectivamente. A correção vem junto com alguns dados positivos que ajudam a desanuviar a procupação que caiu sobre a situação da atividade econômica estadunidense. As vendas do varejo no país cresceram 0,2% em janeiro, ante expectativas de 0,1% de avanço. O indicador se soma à alta do petróleo para ajudar a manter as bolsas no positivo.

Também em correção estão as taxas de juros dos títulos da maioria dos países considerados como portos seguros. O yield do bond de 10 anos dos EUA sobe 3 pontos-base a 1,69% e do título de mesmo vencimento do Japão teve alta de 6 pontos-base a 0,08%. Para Spyer, o caso japonês reflete a projeção de que os estímulos que o país vem fazendo eventualmente façam pressão na inflação, de modo que a terceira maior economia do mundo tenha que subir juros na próxima década.

Ações em destaque As ações da Petrobras (PETR3, R$ 6,34, +7,28%; PETR4, R$ 4,45, +5,20%) registram ganhos acompanhando o petróleo. O barril do WTI (West Texas Intermediate) sobe 11,41% a US$ 29,20, ao mesmo tempo em que o barril do Brent tem ganhos de 8,35% a US$ 33,36.

Além disso, segundo informações do Valor Econômico, a companhia pode obter até US$ 6 bilhões vendendo dutos de gás da TAG. Os canadenses Brookfield e o CPPIB (Canadian Pension Plan Investiment Board) já estão analisando os ativos e também é esperado dinheiro chinês, dado o tamanho dos negócios. Os ativos de gás devem ser os primeiros vendidos.

Destaque ainda para a fala do ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga. Ao ser questionado sobre a sua posição em relação ao projeto de lei do senador José Serra (PSBDSP), que propõe rever o papel central da Petrobras na exploração das grandes reservas de petróleo, o ministro afirmou que aceita participar do debate. Porém, ressaltou ser importante considerar os benefícios em adotar o modelo de partilha associados à política de conteúdo nacional e ao papel da estatal como operadora única dos campos do pré-sal.

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia

PETR3

PETROBRAS ON

6,35

+7,45

PETR4

PETROBRAS PN

4,46

+5,44

CIEL3

CIELO ON

29,57

+5,23

VALE3

VALE ON

10,33

+4,66

PCAR4

P.ACUCAR-CBDPN

41,00

+4,49

Também sobem os papéis da Vale (VALE3, R$ 10,22, +3,55%; VALE5, R$ 7,58, +2,29%) apesar do desempenho do minério de ferro. A commodity spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao caiu 3,54% a US$ 43,65.

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia

CMIG4

CEMIG PN

5,68

-2,74

MRVE3

MRV ON

8,87

-2,53

CESP6

CESP PNB

12,85

-2,36

HGTX3

CIA HERING ON

12,42

-2,13

SBSP3

SABESP ON

21,10

-1,86

Entre as maiores quedas está o papel da Sabesp (SBSP3, R$ 21,19, -1,44%).

Contingenciamento adiado O governo adiou para março o anúncio do corte de gastos do Orçamento da União de 2016 para buscar cumprir a meta de 0,5% do superávit primário em relação ao PIB (Produto Interno Bruto). A justificativa oficial é ganhar tempo para criar medidas de ajuste adicional, mas se especula que a meta seja reduzida, realizando um contingenciamento menor que esperado. Entre as propostas em discussão está a introdução de uma banda de flutuação da meta de superávit primário. Se aprovada pelo Congresso, a reforma abre caminho para a redução da meta deste ano.

Por outro lado, os investidores esperam a publicação de decreto que limita gasto do governo até março. Os gastos ficarão limitados a uma fatia do orçamento total previsto para o ano até que governo decida, no próximo mês, o valor a ser contingenciado, segundo uma pessoa da equipe econômica a par das discussões ouvida pela Bloomberg.

Fitch diz que empresas brasileiras vivem pesadelo Num relatório intitulado Carnaval, válvula de escape para a tristeza, a agência de classificação de risco Fitch Rating traça um cenário nebuloso para as empresas brasileiras. Na avaliação da agência, que retirou o grau de investimento do Brasil no fim do ano passado, a continuidade dos riscos econômicos, fiscais e políticos, aliada à recente baixa dos preços das commodities, deve levar o rating (nota) das empresas nacionais ao grau especulativo.

Na carteira brasileira, a Fitch atribuiu perspectiva negativa para 53% das empresas. Apenas 6% têm perspectiva positiva. A combinação de demanda em queda, aumento do desemprego e inflação, taxas de juros altas, preços de commodities em baixa, volatilidade cambial e aperto no crédito criou um cenário de pesadelo para as empresas brasileiras.

PIB da zona do euro Divulgado pela Eurostat às 8h, o PIB da região teve um crescimento de 0,3% no quarto trimestre de 2015, em linha com as expectativas. No terceiro trimestre de 2015 a expansão do PIB também havia sido de 0,3%. Já o PIB da Alemanha cresceu 0,3% no quarto trimestre de 2015 ante o terceiro e avançou 1,3% na comparação anual, conforme o esperado.

Cenário externo As bolsas europeias tiveram um dia expressivo de alta, com o DAX com ganhos de 2,46%, o FTSE em alta de 3,09% e o CAC 40 em alta, devolvendo a queda de ontem. Aliviando tensões após semana marcada por receios sobre bancos europeus, o banco alemão Commerzbank chegou a subir 15% hoje após anunciar lucro acima do previsto.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212