Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Rio de Janeiro registra recorde de transplante de córnea em maio - Jornal Brasil em Folhas
Rio de Janeiro registra recorde de transplante de córnea em maio


O estado do Rio de Janeiro registrou, no mês de maio, o recorde de 96 transplantes de córnea. No acumulado dos cinco primeiros meses de 2017 já são 345 procedimentos desse tipo. Em 2009, ano anterior à criação do Programa Estadual de Transplantes (PET), foram feitos 88 transplantes de córnea em unidades de saúde do estado. “É um número para ser comemorado, marca superior à anual que se fazia aqui, no estado”, disse hoje (19) o coordenador do PET, Rodrigo Sarlo.

“Estamos em um ritmo de crescimento de transplantes de córnea”, comemorou. Ele disse que 2016 foi o segundo ano consecutivo em que foram batidos recordes desses procedimentos. No ano passado foram feitos 575 transplantes. Este ano, a projeção é fechar o primeiro semestre com 370 cirurgias de córnea, alcançando mais de 700 no final de 2017.

Sarlo explicou que a córnea é considerada um tecido não vascularizado e sua captação não precisa acontecer em situação de morte encefálica exclusivamente, como ocorre com órgãos como coração, fígado e rins, entre outros, que só podem ser doados em casos de morte cerebral. As córneas podem ser doadas também em casos de morte resultantes de parada cardíaca.

Segundo o coordenador do PET, o transplante de córnea é mais eletivo. A córnea não sai do doador e vai imediatamente para o receptor. “Ela passa por um banco para processamento, análise, e é liberada alguns dias depois”. Outros órgãos, como coração, necessitam ser captados em vigência de circulação sanguínea. Para isso, a morte encefálica é fundamental.

Fila de espera

A fila para transplante de córnea no estado do Rio de Janeiro chegou a ter um longo tempo de espera, em torno de dez anos. Hoje, ela é de um ano e meio. “Tem mais de mil pacientes na fila”.

Sarlo disse que, no entanto, o número maior de inscrições registrado nos últimos dois anos resultou da maior credibilidade oferecida pelo programa, “principalmente da comunidade oftalmológica, que encaminhava os pacientes para outros estados, porque o transplante funcionava muito pouco aqui no Rio de Janeiro e, agora, tem inscrito os pacientes na lista estadual”.

Sarlo disse que havia uma demanda reprimida. O aumento progressivo do número de transplantes faz a perspectiva do tempo de espera diminuir de forma gradual, acrescentou. “É um desafio diferente. Porque agora é maior o ritmo de inscrições mas, por conta de um sistema que está criando cada vez mais credibilidade”.

Da mesma forma que para a doação de órgãos, a doação de tecidos, como as córneas, exige autorização da família do doador. De acordo com informação da Secretaria de Estado de Saúde, após a captação, que deve ocorrer em até seis horas após o falecimento, as córneas podem ser armazenadas por até 14 dias, facilitando as cirurgias de transplante. Atualmente, o estado do Rio de Janeiro conta com 27 unidades transplantadoras.

O PET tem parceria com dois bancos de olhos no estado. Um deles pertence ao Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), do Ministério da Saúde, e o outro ao Hospital São João Batista, de Volta Redonda, centro-sul fluminense.

Cartilha

Em 2014, o PET lançou uma cartilha voltada ao receptor de córnea. O Manual do Paciente de Transplante de Córnea objetiva aprimorar o procedimento no estado. O documento foi criado para informar sobre os processos de doação e transplante com doador falecido e esclarecer dúvidas sobre o tema. A cartilha é para o receptor entender como acessar o sistema, quais são as indicações, quais são as obrigações, deveres e direitos das pessoas. O objetivo é esclarecer como funciona esse processo. Tantos os médicos como os pacientes precisam ter esse esclarecimento para que o sistema possa melhorar a cada dia”, disse o coordenador do PET.

 

Últimas Notícias

Índice de registro de imóveis pode melhorar transações no país
Programa para receber declaração do IR estará disponível segunda-feira
Paulo Guedes espera aprovação da reforma da Previdência até junho
Doria anuncia redução do aumento do preço médio do gás em São Paulo
Pesquisador em Engenharia Aeroespacial assume presidência do CNPq
Ortega anuncia retomada do diálogo com a sociedade organizada
Empresária vítima de tentativa de feminicídio no Rio deixa hospital
Atriz Fernanda Montenegro recebe alta de hospital no Rio

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212