Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Bósnia apresenta pedido formal de adesão à União Europeia - Jornal Brasil em Folhas
Bósnia apresenta pedido formal de adesão à União Europeia


A Bósnia-Herzegovina apresentou hoje (15) oficialmente o pedido de adesão à União Europeia, mas terá de acelerar as reformas prometidas para evitar que o processo de entrada se prolongue por vários anos.

“Este ano será um ano difícil”, admitiu o presidente em exercício da presidência colegiada da Bósnia, Dragan Covic, durante cerimônia em Bruxelas, na qual apresentou o pedido oficial de adesão do país.

Covic admitiu que será um processo longo e defendeu a necessidade de modernização da economia como forma de acelerar o processo de adesão.

“Temos que melhorar a nossa economia. Teremos eleições locais e será uma oportunidade para demonstrar que podemos reformar o nosso país. Vemos que a nossa vizinha, Croácia, já é um membro da UE. Montenegro e Sérvia também estão no caminho da integração à UE. A Bósnia-Herzegovina também faz parte deste continente”, disse Covic.

Definida em 2003 como “potencial candidato” à entrada na UE, o país que fazia parte da ex-Iugoslávia nunca conseguiu entrar no grupo, em particular devido às disputas políticas internas entre sérvios, croatas e muçulmanos, que têm paralisado o processo de reformas exigido pelos membros do bloco europeu. O país vive assolado por impasses políticos e graves problemas econômicos.

A ex-república iugoslava foi declarada independente no início de 1992 pelos partidos muçulmano e croata bósnio e a oposição dos sérvios bósnios.

Na sequência houve uma violenta guerra civil, entre abril de 1992 e novembro de 1995, que terminou com os acordos de Dayton. Desde então, a Bósnia-Herzegovina permanece dividida em duas entidades: a Federação croato-muçulmana e a Republika Srpska – com amplos poderes diante de um governo central e uma presidência tripartide muito fragilizados.

O país é supervisionado por um representante internacional que também detem poderes executivos, o que é apontado como um fator de instabilidade. A UE também tem um representante e uma delegação em Sarajevo.

Para tentar se aproximar da Bósnia, em desvantagem diante dos demais países dos balcãs, Bruxelas adotou em 2014, com apoio do Reino Unido e da Alemanha, uma nova abordagem.

O objetivo era abrir mão das complexas revisões constitucionais e privilegiar as reformas no país, para estimular a economia e criar empregos, em um país de 3,8 milhões de habitantes, com taxa de desemprego que ultrapassa 40%, crescentes protestos sociais e focos de islamismo radical.

Em fevereiro de 2015, o parlamento bósnio adotou uma declaração na qual se comprometia com as reformas, que já começaram a ser implementadas.

Após novas insistências de Bruxelas, as autoridades deste país etnicamente dividido também chegaram a um acordo considerado definitivo sobre um “mecanismo de coordenação” de diversos níveis de poder, para dialogarem “em uma só voz” com a UE.

No entanto, o turbulento processo de normalização política do país mais instável dos balcãs continua ameaçado. Assim, em 1º de janeiro, o Parlamento europeu suspendeu os acordos de comércio preferencial com a Bósnia, depois que a ex-república iugoslava falhou ao ajustar suas quotas de exportação aos níveis da UE.

Uma semana mais tarde, a delegação da União Europeia em Sarajevo anunciava que a Bósnia apenas poderia solicitar o pedido formal caso fossem previamente divulgados os resultados do censo populacional que ocorreu em outubro de 2013.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212