Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 TCU: gastos com benefícios tributários crescem 133% entre 2009 e 2016 - Jornal Brasil em Folhas
TCU: gastos com benefícios tributários crescem 133% entre 2009 e 2016


Os gastos do governo federal com a concessão de benefícios tributários cresceram 133% entre 2009 e 2016, em valores absolutos, segundo o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas, relator do processo de análise das prestações de contas da ex-presidenta Dilma Rousseff e do presidente Michel Temer.

Em sessão extraordinária realizada hoje (28) para apreciar das contas do governo entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2016, o ministro afirmou que, de 2009 a 2016, as renúncias tributárias cresceram 18% em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) e 24% em comparação à arrecadação de receitas. Por outro lado, no ano passado, o total de benefícios recuou 2%.

Segundo o ministro, a principal razão que levou o governo federal a ampliar os gastos tributários (gastos indiretos, realizados por intermédio do sistema tributário) foi o financiamento de políticas públicas.

“Ao longo dos últimos anos tem se intensificado a utilização de renúncia tributárias como instrumento de financiamento de políticas públicas”, afirmou o ministro, que se disse impressionado com as cifras envolvidas.

“Em 2016, o montante projetado alcançou, pasmem, R$ 377,8 bi, entre benefícios tributários, previdenciários, financeiros e creditícios, superando as despesas orçamentárias com Saúde e Educação - que, somadas, totalizam R$ 215 bi.”

De acordo com Dantas, somente entre 2012 e 2016, o montante de gastos tributários cresceu cerca de 49%. A evolução dos gastos tributários com a concessão de benefícios tributários constitui, para o ministro, “infração relevante” e tem o poder de impactar significativamente o resultado fiscal.

Em razão da particularidade política de 2016, quando dois mandatários ocuparam a Presidência da República (a ex-presidenta Dilma Rousseff foi afastada do cargo em maio do ano passado para se defender em processo de impeachment e foi sucedida por seu vice, Michel Temer, que assumiu, o TCU, emitirá dois pareceres prévios: um, relativo às contas de Dilma Rousseff e outro, relativo às contas de Temer. O objetivo, segundo o ministro-relator, é individualizar as responsabilidades para cada período de gestão.

“A emissão de dois pareceres não foi uma mera vontade, um mero capricho do relator. Está respaldada em entendimento da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização Financeira do Congresso Nacional ao analisar as contas do governo, em 1992”, afirmou Dantas, informando que o Balanço Geral da União englobará todo o ano passado.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212