Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Negociações para reunificação do Chipre são retomadas - Jornal Brasil em Folhas
Negociações para reunificação do Chipre são retomadas


Os líderes cipriotas gregos e turcos retomaram nesta quarta-feira na Suíça as negociações para tentar terminar com um dos mais antigos conflitos do mundo e reunificar a ilha do Chipre, dividida há mais de 40 anos.

O emissário especial das Nações Unidos para o Chipre, o norueguês Espen Barth Eide, terá a difícil tarefa de conciliar as duas comunidades rivais em vista da criação de um Estado federal.

Não vai ser fácil e não há garantia de sucesso, mas esta é uma ocasião única, porque após décadas de divisões, é possível encontrar uma solução, declarou aos jornalistas antes do início das discussões, retomadas após uma interrupção de cinco meses.

A rodada precedente, organizada em janeiro, possibilitou alguns avanços, mas sem qualquer proposta de solução.

O Chipre, de um milhão de habitantes, está dividido desde 1974, quando o exército turco invadiu o norte da ilha em reação a um golpe de Estado de cipriotas-gregos que pretendiam anexar o país à Grécia, o que gerava grande preocupação entre a minoria turco-cipriota.

Desde então, a República do Chipre, admitida na União Europeia em 2004, exerce sua autoridade apenas na parte sul, onde vivem os cipriotas gregos.

Os cipriotas turcos vivem no norte, onde foi autoproclamada a RTCN, reconhecida apenas pela Turquia.

Os capacetes azuis da ONU controlam, por sua vez, a linha verde, uma zona tampão desmilitarizada que separa as duas comunidades.

Reunidos em um grande hotel da estação alpina suíça de Crans-Montana, a 1.500 metros de altitude, o presidente cipriota grego, Nicos Anastasiades, e o líder cipriota turco, Mustafa Akinci, começaram este primeiro dia de discussões com uma conferência na presença de chanceleres estrangeiros e representantes dos garantidores da segurança da ilha: Turquia, Grécia e Grã-Bretanha, ex-potência colonial.

Anastasiades e Akinci iniciaram em maio de 2015 um frágil diálogo de paz considerado uma verdadeira oportunidade para reunificar a ilha mediterrânea, dividida há mais de 40 anos.

Mas os esforços de paz foram interrompidos bruscamente em fevereiro após uma votação do Parlamento greco-cipriota para que fosse introduzida nas escolas a comemoração de um referendo organizado em 1950 no qual os greco-cipriotas se pronunciaram em massa a favor de sua anexação à Grécia. A minoria de língua turca da ilha sempre se opôs à hipótese de anexação.

 

Últimas Notícias

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
Marcelo Piloto é extraditado do Paraguai para o Brasil
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212