Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Negociações para reunificação do Chipre são retomadas - Jornal Brasil em Folhas
Negociações para reunificação do Chipre são retomadas


Os líderes cipriotas gregos e turcos retomaram nesta quarta-feira na Suíça as negociações para tentar terminar com um dos mais antigos conflitos do mundo e reunificar a ilha do Chipre, dividida há mais de 40 anos.

O emissário especial das Nações Unidos para o Chipre, o norueguês Espen Barth Eide, terá a difícil tarefa de conciliar as duas comunidades rivais em vista da criação de um Estado federal.

Não vai ser fácil e não há garantia de sucesso, mas esta é uma ocasião única, porque após décadas de divisões, é possível encontrar uma solução, declarou aos jornalistas antes do início das discussões, retomadas após uma interrupção de cinco meses.

A rodada precedente, organizada em janeiro, possibilitou alguns avanços, mas sem qualquer proposta de solução.

O Chipre, de um milhão de habitantes, está dividido desde 1974, quando o exército turco invadiu o norte da ilha em reação a um golpe de Estado de cipriotas-gregos que pretendiam anexar o país à Grécia, o que gerava grande preocupação entre a minoria turco-cipriota.

Desde então, a República do Chipre, admitida na União Europeia em 2004, exerce sua autoridade apenas na parte sul, onde vivem os cipriotas gregos.

Os cipriotas turcos vivem no norte, onde foi autoproclamada a RTCN, reconhecida apenas pela Turquia.

Os capacetes azuis da ONU controlam, por sua vez, a linha verde, uma zona tampão desmilitarizada que separa as duas comunidades.

Reunidos em um grande hotel da estação alpina suíça de Crans-Montana, a 1.500 metros de altitude, o presidente cipriota grego, Nicos Anastasiades, e o líder cipriota turco, Mustafa Akinci, começaram este primeiro dia de discussões com uma conferência na presença de chanceleres estrangeiros e representantes dos garantidores da segurança da ilha: Turquia, Grécia e Grã-Bretanha, ex-potência colonial.

Anastasiades e Akinci iniciaram em maio de 2015 um frágil diálogo de paz considerado uma verdadeira oportunidade para reunificar a ilha mediterrânea, dividida há mais de 40 anos.

Mas os esforços de paz foram interrompidos bruscamente em fevereiro após uma votação do Parlamento greco-cipriota para que fosse introduzida nas escolas a comemoração de um referendo organizado em 1950 no qual os greco-cipriotas se pronunciaram em massa a favor de sua anexação à Grécia. A minoria de língua turca da ilha sempre se opôs à hipótese de anexação.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212