Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 ONU lança cartilha para refugiados perseguidos por orientação sexual - Jornal Brasil em Folhas
ONU lança cartilha para refugiados perseguidos por orientação sexual


Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) apontam que o Brasil já processou mais de 250 solicitações de refúgio de indivíduos fugindo de perseguições em seus países por questões ligadas à orientação sexual e identidade de gênero. Para apoiar esse público, a Agência da ONU para Refugiados (Acnur) e o Escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos (ACNUDH) lançaram hoje (27) uma cartilha com o objetivo de informar pessoas refugiadas LGBTI (sigla que designa lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais) sobre como buscar apoio no país.

Além de trazer informações sobre os direitos de refugiados no Brasil, o documento também tem o objetivo de informar a sociedade sobre quem são essas pessoas e suas necessidades de proteção específicas. Isso porque, em geral, essa população já enfrentou uma série de riscos e ameaças durante todas as etapas de deslocamento.

De acordo com o assistente de Meios de Vida do ACNUR, Diego Nardi, a ideia da cartilha surgiu com a percepção de que o número de pedidos de refúgio com base na orientação sexual ou de identidade de gênero estava aumentando. “Achamos fundamental disponibilizar esse material tanto para quem trabalha na proteção de refugiados e imigrantes, como para quem trabalha com a população LGBTI. Quando uma pessoa é obrigada a viver escondendo sua sexualidade, sua identidade de gênero e sua anatomia corporal, isso já significa que ela sofre uma perseguição, então é uma pessoa merecedora do refúgio”, disse.

A refugiada de Moçambique Lara Lopes contou que, na maioria dos países africanos, a comunidade LGBTI é vista como um grupo de pessoas doentes ou possuídas por maus espíritos. Ela disse que ouviu isso várias vezes e durante a maior parte da vida achou que fosse verdade. A dificuldade era ainda maior porque, por ser filha única, se sentia obrigada a casar-se com um homem, ter filhos e agradar a família.

Chegou um tempo que eu não aguentava mais, apesar de sempre ter tido o apoio da minha mãe. Hoje consigo falar porque estou aqui, mas se estivesse no meu país em momento algum eu saberia falar para vocês aquilo que sinto, sou e gosto. Em Moçambique não se ouve nada relacionado a LGBTI ou à violência contra LGBTI, porque é assim que a lei funciona lá e é assim que o Estado quer que as pessoas de fora vejam Moçambique. Mas não é verdade, ressaltou Lara.

Respeito e confidencialidade

Segundo a cartilha, durante o processo de solicitação de refúgio da membros da população LGBTI devem ser empregados métodos respeitosos de comunicação e técnicas sensíveis de entrevista pelos agentes de migração e oficiais de elegibilidade. Os organismos da ONU também recomendam que seja garantida a segurança de solicitantes, bem como daqueles que alegam perseguição com base em orientação sexual ou identidade de gênero.

A cartilha diz ainda que é proibida qualquer violação à confidencialidade, imparcialidade e ao respeito universal: é proibido qualquer teste de orientação sexual ou identidade de gênero que viole os direitos humanos; é importante permitir que pessoas LGBTI vivam e permaneçam com os seus entes queridos, incluindo parceiros e parceiras e filhos.

 

Últimas Notícias

Filmes brasileiros são competitivos, segundo estudo da Ancine
Barroso diz que debate sobre aborto deve ser feito no Supremo
Votação da MP do saneamento é adiada
Sociedade vive crise global de refugiados sem precedentes, diz Toffoli
Alexandre de Moraes diz que papel do STF é evitar ditadura da maioria
Reportagem da TV Brasil ganha Prêmio Patricia Acioli
Bolsonaro volta a Brasília para dois dias de reuniões
Doria se reúne com governadores às vésperas de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212