Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Protesto em frente ao Comitê Olímpico no Rio marca entrega de carta-denúncia contra a Nissan - Jornal Brasil em Folhas
Protesto em frente ao Comitê Olímpico no Rio marca entrega de carta-denúncia contra a Nissan


Centrais sindicais brasileiras junto com a UAW (United Auto Workers) , entidade sindical americana que representa os trabalhadores do setor automobilístico e a IndustriALL Global Union, entidade mundial que representa 50 milhões de trabalhadores em 140 países, entregaram hoje, ao meio-dia, ao embaixador Agemar Sanctos, diretor de Relações Institucionais do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, uma carta-denúncia contra a Nissan, empresa global patrocinadora oficial das Olimpíadas. A montadora é acusada de promover uma agressiva e sistemática campanha antissindical na fábrica localizada na cidade Canton, no estado do Mississipi, nos Estados Unidos, com a finalidade de impedir que seus trabalhadores se organizem em um sindicato e, consequentemente, estejam habilitados a assinar um acordo coletivo.

A atitude da empresa é uma afronta ao Código Básico da iniciativa Ética Comercial, parte central do Guia da Cadeia de Suprimentos Sustentável dos Jogos Olímpicos. As entidades sindicais brasileiras, apoiadas pelas estrangeiras, pedem ao comitê que enfrente esse problema e exija da multinacional um plano de ação corretiva de aplicação imediata. Caso a empresa seja inflexível e insista em descumprir os compromissos de responsabilidade social definidos para os patrocinadores, pede-se a remoção do patrocínio. A IndustriALL e a UAW colocam-se à disposição do comitê organizador para trazer evidências e monitorar ativamente esse processo.

Mais de 200 sindicalistas acompanharam a entrega da carta-denúncia do lado de fora do Comitê. Metalúrgicos da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Força Sindical, juntos com trabalhadores de concessionárias da União Geral dos Trabalhadores (UGT), potencializaram o protesto contra a Nissan que, no Mississipi, intimida os trabalhadores com ameaças de fechamento da fábrica, enquanto nega aos empregados o direito básico de se organizar em sindicato. Ao agir dessa forma, a multinacional impede a liberdade de expressão, impossibilita que os trabalhadores reivindiquem melhores salários, segurança e saúde no trabalho e se defendam em eventuais casos de assédio moral e sexual, além de controlarem o uso de horas-extras. Lideranças da UAW e do IndustriALL vieram ao Brasil para ajudar a fazer pressão.

“A Nissan afronta o mundo e o Brasil. Unidos podemos pressionar a multinacional a respeitar os trabalhadores do Mississipi, EUA. A classe dos trabalhadores é universal”, disse Miguel Torres, presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores Metalúrgicos CNTM/Força Sindical.

“Não podemos permitir que o modelo adotado nos Estados Unidos seja importado e no médio prazo afete os trabalhadores brasileiros”, afirmou Paulo Cayres, presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos CNM/CUT.

“É inaceitável que a Nissan beneficie-se de um evento mundial, associando sua marca aos Jogos Olímpicos Rio 2016, e não cumpra os compromissos acordados previamente com o Comitê, desrespeitando também o Brasil”, disse Ricardo Patah, presidente da UGT.

Os últimos dados disponíveis mostram que a planta da Nissan de Canton, no Mississipi, conta com seis mil trabalhadores, dos quais cerca de 50% são terceirizados e temporários que trabalham exclusivamente para a empresa há muitos anos, mas recebem salários bem inferiores aos dos contratados diretamente. A estimativa mais recente de produção da Nissan de Canton, em 2015, foi de 340 mil unidades. A unidade integra a Nissan North America, que é uma subsidiária direta da Nissan Motor Co. Nos primeiros seis meses do ano fiscal de 2015, a North America respondeu por 54% das vendas totais da empresa e 35% da produção mundial.

A ação coordenada de diversos sindicatos pretende fazer com que a multinacional assuma um compromisso global com o trabalhador, independentemente do país onde atue. “Temos uma relação longa com os sindicatos brasileiros que se estreita ano a ano. Nos apoiamos mutuamente”, afirmou Gary Casteel, secretário-tesoureiro da UAW. Cada vez mais, as entidades sindicais estão agindo globalmente, apoiando os seus pares em outros países.

O movimento apoia-se em pelo menos três regras definidas por organismos internacionais distintos. O Código Básico da Iniciativa Ético Comercial, editado pela Ethical Trading Iniciative ( www.ethicaltrade.org/about-eti ), define no item dois que a liberdade de associação e o direito a negociação coletiva devem ser respeitados. “Todos os empregados poderão, sem nenhuma distinção, unir-se ou constituir associações de classe e participar de negociações coletivas. A empregadora adotará uma atitude aberta em relação às atividades de associações de classe e sua organização”, relata o documento.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212