Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Seminário debate os três anos de implantação do Plano Nacional de Educação - Jornal Brasil em Folhas
Seminário debate os três anos de implantação do Plano Nacional de Educação


A Frente Parlamentar em Defesa da Implementação do Plano Nacional de Educação promoveu hoje (5), na Câmara dos Deputados, o seminário nacional sobre os três anos do plano. O presidente da frente, deputado Pedro Uczai (PT-SC), destacou o financiamento da educação como um dos pontos mais importantes do plano, já que ele é necessário para o cumprimento das outras metas.

Para ele, a emenda do teto dos gastos públicos e a meta de aumentar os investimentos na educação são contraditórias. “Se limita os gastos primários do ponto de vista da educação, como é possível fechar essa conta? A sociedade brasileira criou o sentimento de que educação é uma prioridade nacional e dentro dessa utopia, da expansão e universalização, a conta não fecha”, disse. “Essa [viabilizar o PNE] é nossa responsabilidade ética, moral e política, o resto é hipocrisia”.

Composto por 20 metas nacionais, o PNE estabelece diretrizes, metas e estratégias para a educação brasileira a partir da primeira infância até a entrada na universidade, por um período de 10 anos, de 2014 a 2024. Ele prevê que o investimento público em educação deve ser ampliado para 7% do Produto Interno Bruto (PIB, soma das riquezas produzidas em um estado) até 2019 e para 10% até 2024.

Porém a Emenda Constitucional 95 limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos, a partir deste ano, com possibilidade de revisão a partir do décimo ano de vigência. Pela medida, os gastos públicos totais serão reajustados com base na inflação oficial do ano anterior.

Para o diretor de Programa da Secretaria-Executiva do Ministério da Educação, Ektor Passini, o cumprimento das metas do PNE é absoluto, mas o meio de alcançar essas metas tem que ser contextualizado. “Eu tenho uma meta de universalizar determinado nível de ensino, ela não deve ser mudada, agora a forma de se alcançar essa meta tem que ser revista dioturnamente em função das questões econômicas”, disse. “O momento em que o plano foi concebido, o Brasil vivia uma realidade. Naquele momento, havia um bonança de recursos financeiros e uma relativa estabilidade política. E hoje a realidade é absolutamente outra, o país não tem dinheiro”, completou.

Segundo Passini, é nesse contexto atual que o atingimento das metas deve ser discutido. “Tem que ser responsável. E responsabilidade é uma palavra que engloba desapego político-partidário e regime de colaboração de fato entre os entes”, disse.

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212