Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Coronel venezuelano denunciado após violenta incursão no Parlamento - Jornal Brasil em Folhas
Coronel venezuelano denunciado após violenta incursão no Parlamento


A Procuradoria venezuelana denunciou o chefe militar responsável pela segurança do Parlamento por suposta violação dos direitos humanos depois que partidários de Nicolás Maduro feriram sete deputados opositores na sede do Legislativo, informou o Ministério Público nesta segunda-feira.

O coronel Bladimir Lugo, acusado pela oposição de cumplicidade por não ter agido para evitar a invasão, foi convocado para quinta-feira, anunciou a Procuradoria no Twitter, sem especificar a origem da acusação.

Em 5 de julho, cerca de 100 chavistas entraram no Palácio Legislativo e agrediram os parlamentares, enquanto detonavam bombas de efeito moral.

Após o ataque, dezenas de chavistas mantiveram o Parlamento cercado, impedindo a saída de deputados, jornalistas e funcionários por quase nove horas.

Em 28 de junho, Lugo protagonizou outro incidente ao retirar a empurrões de um gabinete da Assembleia Nacional o seu presidente, o opositor Julio Borges, após uma discussão que começou quando militar levavam caixas para o interior do edifício.

Maduro o condecorou no dia seguinte.

Lugo é o terceiro militar que o Ministério Público denuncia por supostas violações aos direitos humanos desde que a procuradora-geral, Luisa Ortega, rompeu com Maduro.

No final de junho, foram denunciados os generais Antonio Benavides Torres, ex-comandante da Guarda Nacional, e Gustavo González López, diretor do serviço de Inteligência.

Mas o Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) - acusado de estar alinhado a Maduro - não aceitou as denúncias.

O TSJ também considerou Ortega em desacato e acolheu um recurso de Benavides.

Após a denúncia, Maduro condecorou Benavides e promoveu González.

Benavides foi retirado do comando da Guarda Nacional por Maduro em 20 de junho, um dia após a morte de um jovem de 17 anos baleado à queima-roupa por um militar em torno da base aérea de La Carlota, em Caracas.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212