Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cinema de animação cresce no país, mas sofre com falta de capacitação - Jornal Brasil em Folhas
Cinema de animação cresce no país, mas sofre com falta de capacitação


A animação brasileira completou um século este ano. Há 100 anos, no dia 22 de janeiro de 1917, foi exibido o primeiro filme brasileiro de animação da história: O Kaiser. O curta, do cartunista Álvaro Marins, exibido no Cinema Pathé, na Avenida Rio Branco no Rio de Janeiro, perdeu-se no tempo.

Hoje, o Brasil é reconhecido internacionalmente, com premiações consecutivas no festival de animação mais importante do mundo, Annecy – festival realizado anualmente na cidade de Annecy, na França, criado em 1960 e organizado pela Associação Internacional de Filmes de Animação (Association dInternational du Film dAnimation). Por dois anos consecutivos, longas brasileiros venceram o prêmio Cristal do festival.

Uma História de Amor e Fúria, de Luiz Bolognesi, foi o vencedor em 2013 e O Menino e o Mundo, de Alê Abreu, recebeu o prêmio Cristal de Melhor Filme pelo júri e pelo público, em 2014. Outro filme, da única mulher brasileira premiada no festival, é o curta Guida (2015), de Urbes. Soma-se a isso o fato de o longa Menino e o Mundo ter recebido indicação ao Oscar, em 2016.

De acordo com a Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA), 373 filmes de animação foram produzidos no Brasil entre 2000 e 2004. Enquanto 216 filmes foram produzidos no Brasil nos anos 1990. Ou seja, foram produzidos 72% a mais do que na década anterior.

Segundo Cândida Luz Liberato, integrante da ABCA, contribuem para o desenvolvimento do mercado as inúmeras iniciativas governamentais, por meio de programas de fomento ao setor audiovisual. Leis de incentivo, editais, o Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e o aumento da demanda de distribuidoras e canais de televisão por conteúdo nacional (filmes, séries e animações), consequência da Lei 12.485/11 (a Lei da TV Paga), corroboram nesse sentido.

Cândida Liberato explica, no entanto, que a animação brasileira não nasceu da criação de grandes estúdios, e sim da vontade de pioneiros e entusiastas. Para ela, apesar dos incentivos públicos existentes, um dos desafios do setor é o diálogo com o Poder Público. É preciso o estabelecimento de padrões específicos de regras de fomento para o setor de animação, porque atualmente as regras são as mesmas usadas para outras técnicas de conteúdo audiovisual, disse.

Ela ressalta que, apesar de as animações terem um potencial de exportação e retorno financeiro maior em comparação a outras técnicas de audiovisual, a demanda de tempo e recursos financeiros para a produção também é superior. Uma das principais demandas do setor é capacitação.

Segundo a integrante da ABCA, poucos profissionais são capacitados para fazerem roteiros e produção de animação com qualidade técnica. Atualmente, temos poucos cursos de capacitação na técnica de animação. Esses cursos têm que ter uma carga horária alta e respeitar as especificidades do setor. É bem diferente de um roteiro e produção de um longa-metragem ou de um documentário, por exemplo, explica. Outro problema apontado é o fato de os cursos da área se concentrarem no eixo Rio-São Paulo e a produção seguir essa tendência.

Para Maurício Fonteles, professor do Departamento de Audiovisual da Universidade de Brasília (UnB), a tendência de crescimento da produção do setor de animação é influenciada pela facilidade de acesso a equipamentos e tecnologia para a produção, diminuindo consideravelmente os custos do processo, comparado aos anos anteriores. No entanto, um dos desafios, segundo o professor, é a falta de investimento na formação dos profissionais da área. As universidades brasileiras não investem na formação voltada para o cinema de animação, a própria UnB já teve um núcleo de animação, mas foi extinto, destaca.

Fonteles ressalta que agências de propaganda têm uma longa tradição de empregar a animação como forma de despertar o interesse do consumidor em seus comerciais. Fora do âmbito publicitário, uma das maiores conquistas do setor audiovisual foi a Lei da TV Paga, que aumentou a demanda por conteúdo nacional para ser veiculado nos canais de TV por assinatura, com uma cota de três horas e meia da sua grade de programação semanal, em horário nobre, das 18h às 24h, para os trabalhos das produtoras brasileiras independentes, detalha.

Fortalecimento do setor e exportação de talentos

Apesar das demandas, a força do setor de animação nacional é cada dia maior, conforme avalia a Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA). Uma prova foi a compra da animação Lino, de Rafael Ribas, pelos estúdios Fox. O filme, dublado por Selton Mello, Paolla Oliveira e Dira Paes, tem estreia prevista para 7 de setembro em mais de 400 salas do Brasil.

Outro destaque da animação é o estúdio brasiliense Anim’all, que tem feito sucesso nas redes sociais desde que começou a animar tirinhas do quadrinista Caio Gomez. Com relação à exportação de talentos, um dos nomes mais lembrados é o de Matias Liebrecht. O paulistano trabalhou com o londrino Tim Burton em Frankenweenie, filme da Disney de 2012. O brasileiro também atuou no longa Isle of dogs, do americano Wes Anderson. Com previsão de lançamento em 2018, o filme terá as vozes de Edward Norton, Bill Murray, Tilda Swinton e Scarlett Johansson, dentre outros nomes estrelados.

Linha do Tempo animação

Edição: Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212