Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Chacina de Pau DArco, no Pará, não pode ficar impune, dizem ativistas - Jornal Brasil em Folhas
Chacina de Pau DArco, no Pará, não pode ficar impune, dizem ativistas


A morte de dez camponeses, dia 24 de maio deste ano, em uma operação policial em Pau DArco, no Pará, não pode cair no esquecimento nem ficar impune. O pedido foi feito por lideranças sociais que acompanham o caso e parentes das vítimas, durante ato público na noite desta quarta-feira (5), na sede regional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), no Rio de Janeiro.

“A experiência histórica do Brasil é que de todos os homicídios de mortes no campo, nos últimos dez anos, só três pessoas foram julgadas e condenadas. O histórico de nossa realidade é sempre negar, não se investiga a participação do Estado nem do latifundiário. No máximo, se pune o pistoleiro”, disse o advogado da Liga dos Camponeses Pobres do Pará, Felipe Nicolau.

Nicolau disse que a questão agrária no estado é muito grave, com superposição de títulos de terras, muitos com indícios de serem falsificados, usados por fazendeiros para garantir a posse das áreas, o que gera insegurança e violência.

“A questão agrária se agudiza no Pará. Com toda a certeza, o que houve ali foi uma chacina. Muitas vítimas foram torturadas. A ação da polícia foi de matar. Falam na região em uma aliança de latifundiários para intimidar a ocupação de terras”, disse Nicolau. Policiais alegaram que foram recebidos a tiros pelos camponeses, mas a perícia não constatou tiros em nenhum dos militares nem nas viaturas.

Família quase destroçada

Uma das dez vítimas mortas pela polícia foi Ronaldo Pereira de Souza, marido de Sterfa da Silva Gonçalves, que ficou viúva com um bebê que tinha 29 dias na época. Ela também luta para que o caso não caia no esquecimento.

“A gente pede por justiça. É o que eu quero e estamos lutando. A minha vida está bagunçada, pois o meu apoio era ele. Agora estou na misericórdia de Deus, mas a gente não vai desistir da área. Eu não vou desistir. Minha família foi quase destroçada, uma tragédia muito grande”, lamentou Sterfa, de 25 anos, que admite viver com medo, pois não confia na polícia para lhe garantir proteção.

Durante o ato, foi apresentado o documentário Terra e Sangue – Bastidores do Massacre de Pau DArco, dirigido por Patrick Granja, que esteve no local, colhendo imagens e depoimentos quatro dias após a chacina.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212