Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Secretário diz que todas as escolas de São Paulo terão grêmios estudantis - Jornal Brasil em Folhas
Secretário diz que todas as escolas de São Paulo terão grêmios estudantis


Os grêmios estudantis estarão em todas as escolas do estado de São Paulo e serão escolhidos por voto direto e secreto dos alunos das unidades, segundo anúncio feito hoje (15) pelo secretário estadual de Educação, José Renato Nalini, durante evento de volta às aulas em uma escola na Vila Mariana, na zona sul da capital paulista.

Atualmente, 3,5 mil escolas paulistas têm grêmios. As 1,5 mil instituições que ainda não têm representantes serão estimuladas a criar suas próprias comissões para ter voz ativa em decisões do ambiente escolar, inclusive com apresentação de pauta de reivindicações às diretorias.

“A figura do grêmio estudantil está em bom número da rede estadual. É um instrumento transformador nas unidades em que atua. Os próprios jovens, porém, apontam problemas no formato de eleição dos representantes das agremiações. Este apelo já é um dos frutos que colhemos das manifestações do ano passado. Ouvimos e estamos agindo”, disse Nalini.

Segundo a secretaria, um grêmio tem autonomia para elaborar propostas, organizar e sugerir atividades para a escola, tem direito de participar da organização do calendário escolar e deve articular e negociar os interesses junto à direção escolar.

Reorganização escolar

O anúncio do governo sobre a ampliação dos grêmios estudantis ocorre após a polêmica da proposta de reorganização escolar, que separaria os alunos em ciclos, de acordo com a idade, e previa o fechamento de 93 escolas em todo o estado, além do remanejamento de estudantes, afetando um total de 311 mil alunos.

Em protesto contra o projeto, estudantes passaram a ocupar as escolas no começo de novembro do ano passado.

No auge do movimento, cerca de 200 escolas foram ocupadas e os estudantes foram às ruas em protestos que terminaram algumas vezes com repressão violenta da Polícia Militar.

Diante da mobilização, no início de dezembro, o governador Geraldo Alckmin decidiu suspender a reorganização escolar. No mesmo mês, a Justiça paulista também se pronunciou sobre o caso, suspendendo o projeto para todo este ano.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212