Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ex-prefeito é denunciado por fraude e superfaturamento em obra de museu - Jornal Brasil em Folhas
Ex-prefeito é denunciado por fraude e superfaturamento em obra de museu


O ex-prefeito de São Bernardo do Campo Luiz Marinho e mais 21 pessoas foram denunciadas pelo Ministério Público Federal (MPF) por fraudes nas licitações, desvios e superfaturamento de recursos destinados à fase preparatória da obra do Museu do Trabalho e do Trabalhador. De acordo com o MPF, o empreendimento deveria ter sido concluído em janeiro de 2013, com custo inicial de R$ 18 milhões. A obra, contudo, permanece inacabada, após três prorrogações do contrato. O superfaturamento seria de, aproximadamente, R$ 2,3 milhões.

Além de Marinho, que atualmente preside o Diretório Estadual do PT, estão entre os denunciados o ex-secretário municipal de Planejamento e Obras, Alfredo Buso, o ex-secretário de Obras Sérgio Suster, e outros agentes públicos e empresários. Segundo o Ministério Público Federal, eles obtiveram vantagens ilícitas por meio dos crimes de peculato e fraudes na licitação e na execução de contrato. O valor atual do convênio está em R$ 21 milhões, dos quais R$ 14,6 milhões caberiam ao Ministério da Cultura e R$ 7 milhões ao município, na forma de contrapartida.

A denúncia, apresentada à 3ª Vara Federal de São Bernardo do Campo, informa que, entre as causas para o aumento do valor total do projeto, estão “o superfaturamento de serviços de engenharia e arquitetura, o desvio de recursos mediante o pagamento em duplicidade pela realização de trabalhos, a modificação do projeto original com custo acima do teto legal e as prorrogações indevidas do contrato”.

Esquema

Os procuradores apontam que os envolvidos no esquema burlaram procedimentos licitatórios legais, pois dispensaram indevidamente licitação para a contratação dos serviços para três etapas da fase preparatória da obra (Estudo Preliminar, o Projeto Básico e o Estudo Museológico). Segundo o MPF, a fraude foi feita para permitir a contratação direta da empresa Brasil Arquitetura Ltda., de Francisco de Paiva Fanucci e Marcelo Carvalho Ferraz, que também estão entre os acusados. “[Eles] já tinham um acerto prévio com Luiz Marinho para elaborar o conjunto de estudos e projetos do museu a preços superfaturados”, diz a denúncia.

Para justificar a dispensa de licitação, “os agentes públicos se utilizaram ilegalmente de um contrato de prestação de serviços genérico, conhecido como contrato guarda-chuva, que não tinha nenhuma relação direta com o projeto do museu”. O esquema aproveitou-se de um contrato firmado em 2008 com o Consórcio Enger/Planservi/Concremat e posteriormente com o Consórcio Enger/Hagaplan/Planservi (2011), que servia para atender demandas das secretarias de Obras, de Habitação e de Meio Ambiente na elaboração de projetos de engenharia, além de fiscalização e gerenciamento de obras.

“Em comum acordo com os empresários responsáveis pelos consórcios, também acusados nesta denúncia, o grupo inseriu a contratação do Estudo Preliminar, do Projeto Básico e do Estudo Museológico no escopo destes contratos de serviços, com a finalidade de terceirizar, subcontratando a Brasil Arquitetura para o Estudo Preliminar e o Projeto Básico, e a Apiacás Arquitetos [de propriedade de ex-empregados da Brasil Arquitetura] para o Estudo Museológico”, explica o texto.

Os valores seriam, então, superfaturados pela Brasil Arquitetura. “As empresas integrantes dos consórcios superfaturaram os valores dos serviços, em uma espécie de comissão, que em um dos casos chegou a representar 78,5% a mais do que o valor real do projeto.”

As investigações fazem parte da Operação Hefesta. O MPF disponibilizou a íntegra da denúncia e o nome dos acusados.

Outro lado

O ex-prefeito Luiz Marinho soube da denúncia por meio da imprensa e espera ser oficialmente notificado para apresentar a sua defesa.

A Agência Brasil procurou a assessoria da empresa Brasil Arquitetura, mas não houve retorno até a publicação da reportagem.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212