Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cientistas desenvolvem método não invasivo para avaliar artérias coronárias - Jornal Brasil em Folhas
Cientistas desenvolvem método não invasivo para avaliar artérias coronárias


Pesquisadores desenvolveram um método não invasivo para avaliar as artérias de um paciente, detectar inflamações e, possivelmente, evitar doenças cardíacas antes que estas sejam graves demais para serem tratadas, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira.

As doenças cardiovasculares são a principal causa de morte entre homens e mulheres nos Estados Unidos, e a cada ano cerca de 750.000 americanos sofrem um ataque do coração.

Durante décadas, os médicos recorreram a tomografias e angiogramas para detectar doenças de artérias coronárias, onde os ataquem cardíacos têm origem.

Estes exames se concentram em encontrar vasos que se tornaram mais estreitos devido ao colesterol ou outra substância, restringindo o fluxo de sangue para o coração. Mas estão longe de ser perfeitos, e muitas vezes encontram o problema quando a condição do paciente já é muito grave.

Além disso, o estreitamento das artérias nem sempre é um sinal de um ataque cardíaco iminente.

Na verdade, a inflamação é a principal responsável pelos bloqueios nas artérias que causam os ataques do coração, explicou o pesquisador Keith Channon, professor de medicina cardiovascular na Universidade de Oxford.

Até agora, não havia nenhuma maneira de detectar uma inflamação nas artérias coronárias, disse Channon a repórteres em uma conferência antes da publicação do estudo na revista Science Translational Medicine.

O novo método funciona analisando mudanças no tecido adiposo que envolve as artérias, conhecido como gordura perivascular. Esta se torna mais líquida e menos gordurosa quando está perto de uma artéria inflamada, explicaram.

Utilizando uma medida chamada Índice de Atenuação da Gordura (FAI), os pesquisadores encontraram sinais de inflamação de artérias em tomografias existentes.

Também descobriram ser possível rastrear mudanças na gordura perivascular através do tempo, permitindo aos médicos detectarem sinais precoces que poderiam prevenir acidentes cardiovasculares.

No entanto, ainda são necessários estudos mais amplos para assegurar a eficácia deste novo método em prever futuros ataques cardíacos e salvar vidas.

Os resultados finais deste estudo serão publicados no final do ano, segundo os pesquisadores.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212