Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Médicos Sem Fronteira denunciam ataques a unidades de saúde na Síria - Jornal Brasil em Folhas
Médicos Sem Fronteira denunciam ataques a unidades de saúde na Síria


Hospitais e clínicas vêm sendo bombardeados intencionalmente na Síria, matando pacientes e profissionais de saúde, contrariando o que estabelece a Convenção de Genebra. O caso mais recente aconteceu na última segunda-feira (15), na cidade de Maaret al-Numan, na província de Idlib, no Norte do país, quando um hospital mantido pela organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) foi pesadamente bombardeado por aviões, deixando 25 mortos, dez feridos e duas pessoas desaparecidas.

Em 2015, segundo o MSF, 63 unidades de saúde apoiados pela organização foram atingidas por tiros ou bombas, em um total de 94 ataques, pois algumas foram alvos mais de uma vez, o que representa um hospital ou clínica atingido toda a semana. Doze unidades foram totalmente destruídas. A denúncia foi feita nesta quinta-feira (18) por integrantes do MSF em vários países. A entidade divulgou um relatório sobre a situação.

No Brasil, a diretora de comunicação da entidade, Alessandra Vilas Boas, ressaltou que até as guerras têm suas regras. Desde a primeira Convenção de Genebra, de 1864, militares feridos ou doentes devem ser atendidos sem discriminação e ambulâncias e hospitais são protegidos de todo ato hostil.

“O anormal parece hoje normal. Isto é inaceitável, é um completo desrespeito ao direito internacional humanitário. Quatro dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas estão diretamente e militarmente envolvidos no conflito da Síria e esses mesmos Estados votaram e passaram resoluções pedindo respeito ao direito internacional humanitário, o fim dos ataques à população civil e a garantia do acesso da ajuda humanitária. Nós fazemos um apelo para que esses Estados assumam as responsabilidades que eles próprios aprovaram no Conselho de Segurança”, disse Alessandra.

A Convenção de Genebra, em sua última versão, de 1949, tem 15 itens e em três deles fala especificamente sobre a proteção a civis, a hospitais e ao livre acesso de medicamentos. “Nas áreas de batalha devem existir zonas demarcadas para onde os doentes e feridos possam ser transferidos e tratados. Proteção especial contra ataques será garantida aos hospitais civis marcados com a cruz vermelha. É permitida a passagem livre de medicamentos.”

Outras informações podem ser obtidas na página do MSF Brasil na internet.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212