Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 As 5 verdades incovenientes que a S&P nos revelou sobre o Brasil - Jornal Brasil em Folhas
As 5 verdades incovenientes que a S&P nos revelou sobre o Brasil


SÃO PAULO - O corte de rating do Brasil anunciado na quarta-feira (17) acabou pegando muita gente desprevenida, apesar da expectativa que já rondava o mercado sobre um rebaixamento. Porém, tanto o relatório apresentado junto a decisão, quanto a conferência realizada hoje mostraram algumas verdades sobre como a S&P vê o País. E elas não são nada boas.

A reação do mercado não foi muito forte, com a Bolsa caindo apenas 0,37%, mas a agência de classificação de risco deixou diversos alertas para o futuro, e alguns parece que as pessoas não estão querendo escutar.

Confira abaixo alguns pontos importantes que a S&P disse sobre o Brasil:

1) Corte reflete cenário doméstico, e não o exterior A diretora-gerente de ratings soberanos da Standard & Poors, Lisa Schineller, afirmou que o novo corte do rating brasileiro é reflexo principalmente de fatores domésticos, e não de problemas externos.

O cenário externo mais desfavorável - com a China em desaceleração, queda das commodities, volatilidade do mercado financeiro mundial e o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) elevando juros - traz desafios adicionais ao Brasil, mas são os problemas internos que têm pesado mais na economia e na avaliação do risco de crédito do país, disse Lisa em teleconferência para comentar o novo rebaixamento da nota do Brasil.

O cenário externo não está guiando as ações no rating brasileiro. A trajetória de rebaixamento dos ratings está vindo mais dos resultados da ação ou da falta de ação da política econômica doméstica, afirmou a diretora da S&P. O cenário externo torna as coisas mais difíceis, mas a história de crescimento, tão fraca como está, não é por conta dos preços das commodities, salientou Lisa.

2) Não há prazo para nova revisão Segundo Lisa, uma revisão vai depender de mudanças que ocorram na dinâmica política e econômica do País. Questionada se a aprovação da CPMF no Congresso seria um fator capaz de levar a S&P a mudar ao menos a perspectiva do rating, que ontem foi mantida em negativa, Lisa evitou falar em fatores específicos.

A diretora ressaltou que a mudança da avaliação depende, por exemplo, que as trajetórias fiscal e do PIB sinalizem melhora, ao invés de sinalizarem deterioração, como vem ocorrendo nos últimos meses. As projeções para o PIB, por exemplo, vêm sendo constantemente revisadas para baixo.

Nesse cenário, Lisa disse que é preciso ver no Brasil condições para execução mais consistentes de políticas econômicas. A melhora da situação política no Congresso seria um fator que contribuiria para mudar esse cenário, pois teria impacto positivo na confiança dos investidores e consumidores. Por enquanto, a S&P vê os riscos para as contas fiscais e o PIB pendendo mais para o lado negativo e não espera avanços no curto prazo.

3) Desafios do Brasil são consideráveis Os desafios econômicos e políticos no Brasil em 2016 são consideráveis e o cenário continua a se deteriorar. Esse contexto aumenta os riscos para a execução da política econômica e pesa na avaliação de risco de crédito do país.

Lisa disse que é difícil ver neste momento sinais de melhora do cenário em meio às discussões de impeachment no Congresso e a ampliação das investigações de corrupção na Petrobras, que tem atingido políticos em Brasília. Nesse ambiente, a confiança dos investidores e consumidores segue baixa. O Brasil terá em 2016 outro ano de significativa contração da economia, afirmou a diretora da S&P. Ela ressaltou que a tendência é que a trajetória fiscal continue se deteriorando.

Para a diretora da S&P, o andamento dos procedimentos de impeachment no Congresso deve fazer o ajuste fiscal demorar ainda mais. Os riscos para a execução de política, sobretudo fiscal, permanecem muito altos, disse ela, destacando que os riscos tendem para o lado negativo, tanto nas perspectiva para o Produto Interno Bruto (PIB) como para as contas fiscais.

Aprovar medidas para melhorar a trajetória fiscal será bastante desafiador, afirmou a diretora da S&P. É muito difícil prever uma estabilização dessa dinâmica muito negativa até haver mais clareza do lado político.

4) Petrobras pode receber ajuda do governo A revisão do rating do Brasil também levou em conta o enfraquecimento do perfil financeiro da Petrobras. Apesar da preocupação com a petroleira, a S&P vê probabilidade muito alta de o governo socorrer financeiramente a companhia no caso de necessidade de recursos.

Esperamos que o governo esteja lá, forneça ajuda extraordinária caso a Petrobras precise, disse Lisa. A diretora da S&P ressaltou que a agência de classificação de risco mudou ontem a avaliação que faz dos passivos contingentes do setor financeiro brasileiro e de todas as entidades públicas não financeiras brasileiras (incluindo a Petrobras) como moderados. Essa mudança foi puxada pela piora da dívida da Petrobras, que equivale a 7% do PIB.

Lisa explicou que com essa revisão dos passivos contingentes, por causa da Petrobras, e com os déficits do governo e a dívida líquida na média de 7% e 60% do PIB, respectivamente, durante 2016/2018, a S&P acredita que não há mais flexibilidade de política suficiente para que a agência de classificação de risco possa distinguir os ratings em moeda local e os ratings em moeda estrangeira do País. Por isso, as duas notas foram rebaixadas ontem para o mesmo nível BB.

5) Cenário dos bancos também não é bom Questionada durante da teleconferência sobre a situação dos bancos brasileiros, Lisa frisou que os bancos pequenos e médios já têm ratings mais baixos e estão em situação mais vulnerável. Para o sistema como um todo, a previsão é que a desaceleração do crédito continue e que a inadimplência possa aumentar.

Sobre o crédito, Lisa ressaltou a intenção do governo de estimular os empréstimos, mas ela não acredita que há muito apetite do setor privado por recursos dos bancos neste momento. É uma questão, disse ela, de demanda.

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212