Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Banco Mundial estima impacto modesto da zika na América Latina - Jornal Brasil em Folhas
Banco Mundial estima impacto modesto da zika na América Latina


O vírus da zika terá um impacto modesto na economia da América Latina e do Caribe, estimou nesta quinta-feira o Banco Mundial, anunciando 150 milhões de dólares para combater a doença na região.

As estimativas iniciais do impacto econômico a curto prazo da epidemia do vírus da zika para 2016 na América Latina e no Caribe são modestos, afirmou a instituição em comunicado.

Segundo o Banco, cerca de 478 milhões de dólares em investimentos podem ser perdidos por causa da doença, ou 0,06% do Produto Interno Bruto (PIB) regional.

Mas essas estimativas são baseadas no pressuposto de uma resposta internacional rápida e coordenada contra a propagação do vírus, e no pressuposto de que os riscos mais graves para a saúde estão restritos às mulheres em idade reprodutiva.

Ainda assim, os países que são altamente dependentes do turismo, particularmente no Caribe, podem sofrer perdas de mais de até 1,6% do seu PIB e necessitariam de ajuda internacional adicional para parar o impacto do vírus em suas economias.

Com relação ao PIB, Cuba seria um dos países mais afetados, com 0,86% ou 664 milhões de dólares em investimentos não percebidos, atrás apenas de Belize, com 1,22%.

México sofrerá o maior impacto em termos de dinheiro, 744 milhões de dólares, seguido de Cuba, República Dominicana (318 milhões), Brasil (310 milhões) e Argentina (229 milhões).

Da mesma forma, se a correlação entre a zika e a síndrome neurológica de Guillain-Barré (SGB) for confirmados, e a transmissão de sexualmente do vírus da zika, ou as percepções de risco aumentarem, os impactos econômicos podem ser significativamente maiores, disse o Banco.

Nossa análise sublinha a importância de uma ação urgente para parar a propagação do vírus e proteger a saúde e o bem-estar das pessoas em ações de países afetados, disse o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim, citado no documento.

A instituição está preparada para fornecer suporte adicional se necessário, acrescentou .

Para combater o vírus, o Banco Mundial anunciou 150 milhões de dólares, que estarão imediatamente disponíveis para os países afetados.

A ajuda tem como alvo trabalhos de vigilância e controle, cuidado de pessoas em situação de risco como as mulheres grávidas e em idade reprodutiva, e os cuidados pré e pós-natal para as complicações neurológicas, entre outras respostas contra o vírus, de acordo com o comunicado.

Com mais de 1,5 milhões de pacientes no Brasil e 31.000 na Colômbia, a América do Sul é a região mais afetada pelo zika, um vírus transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, que também transmite a dengue, a febre amarela e a chikungunya.

 

Últimas Notícias

Michelle Bolsonaro e Marcela Temer visitam o Palácio da Alvorada
STF adia decisão definitiva sobre decreto de indulto natalino
Empresário repassou mansão a Adriana Ancelmo, diz delator
Audiência debate mudanças no currículo dos cursos de engenharia
Presidente eleito se reúne com Mozart Ramos, do Instituto Ayrton Senna
MP quer multar prefeitura de SP por falta de manutenção de viadutos
Criação de emprego formal desacelera 24,6% em outubro, revela Caged
Fábio Ramalho considera normal sua candidatura à presidência da Câmara

MAIS NOTICIAS

 

Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
 
 
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
 
 
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
 
 
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados
 
 
Bolsonaro confirma Mandetta para a Saúde
 
 
México habilita 26 empresas brasileiras para compra de carne de frango

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212