Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Psicólogos que elaboraram as torturas da CIA vão a julgamento nos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Psicólogos que elaboraram as torturas da CIA vão a julgamento nos EUA


Dois psicólogos que ajudaram a elaborar o programa de interrogatórios dos detidos da CIA depois dos ataques de 11 de setembro de 2001 irão a julgamento por incentivar o uso de métodos de tortura

Dois psicólogos que ajudaram a elaborar o programa de interrogatórios dos detidos da CIA depois dos ataques de 11 de setembro de 2001 irão a julgamento por incentivar o uso de métodos de tortura como o afogamento simulado e a colocação de prisioneiros em posições estressantes.

Juízes federais do estado de Washington ordenaram a realização de um julgamento com júri, em resposta a um processo de três ex-réus - entre os quais um morreu em uma prisão da CIA depois de duros interrogatórios - e rejeitando os esforços para obrigar a arquivar o caso e evitar uma audiência completa.

O processo, apresentado pela União Americana de Liberdades Civis (ACLU), será o primeiro a envolver o programa de torturas em um julgamento, que será realizado em setembro.

O governo conseguiu evadir iniciativas anteriores com o argumento de que é necessário proteger informações delicadas de inteligência.

O caso envolve os psicólogos James Mitchell e Bruce Jessen, que foram recrutados pela CIA em 2002 para ajudar a preparar e realizar os interrogatórios de suspeitos no âmbito da guerra contra o terrorismo capturados no Afeganistão e em outros lugares.

- Dia histórico -

Os dois receberam 80 milhões de dólares por seu trabalho, que incluía ajudar a interrogar Khalid Sheikh Mohammed, o cérebro dos atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, atribuídos ao grupo extremista Al-Qaeda, e Abu Zubaydah, outro alto membro da organização.

A ACLU alega que Jessen e Mitchell foram responsáveis, e se beneficiaram economicamente, da tortura ilegal do tanzaniano Suleiman Abdullah Salim, do líbio Mohamed Ahmed Ben Soud e do afegão Gul Rahman.

Os dois primeiros foram libertados após anos de prisão, e Rahman morreu de hipotermia em uma cela de uma prisão da Agência Central de Inteligência americana (CIA) em novembro de 2002, depois do que a ACLU denunciou como duas semanas de tortura brutal.

Este é um dia histórico para nossos clientes e todos os que buscam a prestação de contas pela tortura, indicou o advogado da ACLU Dror Ladin em um comunicado.

A decisão da corte implica que, pela primeira vez, as pessoas responsáveis pelo brutal e ilegal programa de torturas da CIA enfrentarão uma responsabilidade legal pelo que fizeram. Nossos clientes esperaram muito tempo por justiça, afirmou Ladin.

O tribunal descartou os argumentos da defesa dos psicólogos de que eles não eram responsáveis por todas as atividades nas sessões da CIA e não tinham nada a ver com os interrogatórios de dois dos homens envolvidos.

Os acusados também alegaram, entre outras coisas, que não eram responsáveis por tomar as decisões de utilizar as chamadas técnicas de interrogatório melhoradas nos casos específicos desses três detidos, senão que apenas proporcionaram à CIA uma lista de métodos a serem escolhidos.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212