Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Executivo farmacêutico dos EUA é condenado por fraude - Jornal Brasil em Folhas
Executivo farmacêutico dos EUA é condenado por fraude


Um júri de Nova York condenou nesta sexta-feira Martin Shkreli, um ex-gerente de fundos de cobertura (hedge fund) e executivo farmacêutico já considerado o homem mais odiado dos Estados Unidos, por somente três acusações de um total de oito.

O empresário de 34 anos, conhecido por provocar a multiplicação do preço do medicamento para aids e malária Daraprim, que passou de 13,5 para 750 dólares o comprimido de um dia para o outro em 2015, foi considerado culpado de três acusações ao fim de um julgamento que durou praticamente um mês.

O júri de 12 membros o declarou culpado pelas acusações de fraude acionária e conspiração para cometê-la no quinto dia de deliberações em uma corte federal do Brooklyn, Nova York.

A jornalistas fora da corte, Shkreli, que foi liberado sob fiança, disse que estava encantado com o veredicto.

Fomos absolvidos das acusações mais importantes neste caso e estou encantado de informar isso, afirmou, agradecendo Ben Brafman, o melhor advogado do planeta.

A Procuradoria acusava Shkreli de roubar 11 milhões de dólares em ações de sua primeira companhia farmacêutica Retrophin para pagar investidores que haviam perdido dinheiro em seus dois fundos de cobertura.

O ex-agente poderia ser condenado a 20 anos de prisão caso fosse declarado culpado pelas oito acusações.

Nesta sexta-feira, sua equipe de advogados, liderados pelo célebre defensor Ben Brafman -que representou, entre outros, o ex-diretor do FMI Dominique Strauss Kahn-, disse que tem a esperança de que seu cliente consiga evitar a prisão.

Os promotores governo disseram que as provas como contra Shkreli eram avassaladoras e que ele contou uma mentira atrás da outra a investidores durante anos, ao gerenciar um esquema pirâmide através de várias companhias.

Shkreli se negou a testemunhar em seu julgamento. Seu advogado o apresentou como um gênio com problemas que havia acampado em seu escritório em um saco de dormir durante dois anos para construir sozinho uma empresa farmacêutica de sucesso e para poder pagar o que devia a investidores endinheirados.

O executivo foi acusado de fraude acionária, conspiração para cometer fraude acionária e conspiração para cometer fraude bancária por orquestrar três esquemas inter-relacionados para enganar investidores e apropriar-se de ativos de maneira indevida.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212