Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Feb de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Geólogos encontram novas pistas sobre maior extinção mundial - Jornal Brasil em Folhas
Geólogos encontram novas pistas sobre maior extinção mundial


Londres, 31 jul (EFE). - O calor desprendido de rochas incandescentes pode ser uma possível causa para a maior extinção mundial, há quase 252 milhões de anos, conforme um estudo divulgado nesta segunda-feira na revista Nature.

O trabalho foi liderado por James Muirhead, pesquisador associado do Departamento de Ciências da Universidade de Artes e Ciências da Universidade de Syracuse, junto com o geólogo Seth Burgess e o professor de Geologia do Instituto de Tecnologia de Massachusetts Samuel Bowring, todos nos Estados Unidos.

De acordo com as pesquisas, a formação de rochas incandescentes gerou uma série de eventos que desembocaram no encerramento do Permiano, pertencente à Era Paleozóica. Nesse processo, mais de 95% das espécies marinhas e 70% das terrestres foram extintas.

Foram cinco grandes extinções desde que a vida na Terra se originou, há mais de 600 milhões de anos. A maior parte desses eventos foi atribuída a erupções vulcânicas e impactos de asteroides. Ao voltar a examinar os tempos e as conexões entre o magmatismo - movimento de lava -, a mudança climática e a extinção, criamos um modelo que explica o que desencadeou a extinção em massa do final do período Permiano, afirmou Burgess.

No centro da pesquisa estão os chamados Trapps siberianos, que formam uma grande região de rocha vulcânica, conhecida como Grande Região Ígnea, na Sibéria. Esta região foi o centro de quase 1 milhão de anos de atividade vulcânica, segundo o estudo, que espalharam volumes significativos de lava, cinzas e gás, ao mesmo tempo em que empurraram sulfureto, dióxido de carbono e metano até atingir níveis perigosos para o meio ambiente.

Segundo Muirhead, a investigação sugere que os fluxos de lava da superfície aconteceram muito rápido para provocar uma extinção em massa e acrescenta que em vez disso, houve um subintervalo de magmatismo que desencadeou a cachoeira de eventos que ocasionaram a extinção em massa.

O calor desprendido das rochas incandescentes expulso de sedimentos ricos em gás, que entraram em contato com o metamorfismo, liberaram enormes quantidades de gases causadores do efeito estufa necessárias para provocar a extinção, disse Muirhead.

Segundo o investigador, seu modelo de estudo vincula o começo da extinção com o pulso inicial do local das rochas incandescentes e representa um momento crítico na evolução da vida na Terra . EFE

 

Últimas Notícias

Superintendente da Caixa, Marise Fernandes, recebe Título de Cidadã Goiana
Iris Rezende: “Marconi deixou sua marca em todas as áreas administrativas”
Bolsa Universitária: abertas novas inscrições para 10 mil bolsas
Torcidas de Goiás e Vila se mobilizam para a doação de sangue
800 vigilantes penitenciários concluem curso e vão reforçar segurança em presídios
Governo de Goiás entrega mais um colégio de alto padrão no Entorno do DF
Goiás terá 10 mil agentes de saúde formados em técnico em enfermagem
Dois chefs de cozinha representam Goiás na disputa pela maior premiação da gastronomia brasileira

MAIS NOTICIAS

 

Ministro diz que Brasil mantém portas abertas para receber refugiados
 
 
Aprovação da reforma da Previdência é prioridade número um, diz Meirelles
 
 
Conselhos aprovam intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro
 
 
Eunício determina que todas as PECs parem de tramitar no Senado
 
 
Maia anuncia criação de observatório para acompanhar ações de intervenção no RJ
 
 
Marun diz que não há como votar reforma da Previdência durante intervenção

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212