Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Fundo rende 123% do CDI no ano e se prepara para “melhor momento dos últimos 3 anos” - Jornal Brasil em Folhas
Fundo rende 123% do CDI no ano e se prepara para “melhor momento dos últimos 3 anos”


SÃO PAULO – Os últimos 12 meses foram de incertezas políticas e de expectativa com uma economia que vem demorando mais que o esperado a retomar os trilhos. Mesmo durante esse período desfavorável, o Fundo Corporate Plus Fim CP teve um retorno de 123% do CDI desde sua criação, em julho de 2016. O ganho ficou acima de seu objetivo, em 115% do CDI.

Fausto Filho, gestor de renda fixa e estruturados da XP Gestão, conta que o diferencial desse fundo é que ele não possui algumas “amarras” que outros têm, como rating mínimo, limitações à empresas de capital fechado e corporate bonds.. Por isso, o gestor conta que sua equipe faz uma análise independente minuciosa sobre os ativos e a saúde financeira da empresa antes de investir. Seus aportes são estritamente feitos em empresas e bancos.

Os ativos que o fundo está autorizado a investir são debêntures, notas promissórias, DPGES (Depósito a Prazo com Garantia Especial), corporate bonds, CDBs (Certificado de Depósito Bancário), e LFs (Letras Financeiras). O aporte mínimo para ter acesso ao fundo é de R$ 25 mil.

“A restrição a ativos corporativos já o diferencia de outros fundos. Outro diferencial é que esse fundo não tem restrição a rating. A maior parte dos fundos só podem comprar ativos que são ‘investment grade’ – que tem rating BBB- ou acima. Já o Corporate Plus está apto para comprar qualquer ativo”, explica Fausto Filho.

O gestor explica que essa estratégia tem o objetivo de capturar a melhora no perfil de crédito da empresa, o que leva à compressão dos spreads das emissões e, consequentemente, à valorização do papel e do fundo. “Buscamos capturar uma melhora do rating corporativo ao longo da vida útil do ativo”, explica.

“Basicamente financiamos empresas e bancos por meio de dívidas emitidas no Brasil ou no exterior. Essa é uma grande diferença em relação a outros fundos da casa, que são multiestratégias de crédito e que não compram só dívida corporativa”, explica o gestor.

Fausto conta que o fundo também investe em empresas de capital fechado. “Entendemos que há boas empresas que, apesar de não terem capital aberto, conseguimos fazer análises e nos apropriar de um spread de crédito maior, porque muitas vezes a empresa está em um momento de crescimento, tentando acessar o mercado e sem tanta visibilidade”, explica.

Diante dessas características, o prazo para resgate do fundo é de 45 dias, maior do que o usualmente praticado por outros fundos. “É o que traz conforto para manter posição em empresas de capital fechado”, explica Fausto Filho.

A compra de dívidas brasileiras emitidas em dólar também impõe um prazo maior para resgate. “Como o fundo é em reais, eu preciso comprar papel em dólar e transformar esse bond em swap. Se precisar zerar essa posição, não é um movimento tão trivial e o prazo mais dilatado permite esses movimentos na carteira”, conta o gestor.

Mercado de crédito O gestor do fundo conta que a expectativa de ganhos do fundo foram alcançadas nos últimos 12 meses com uma estratégia que respeitou todos os limites da aplicação, mas reconhece que o mercado de crédito passou por um “momento difícil”, especialmente em 2016.

“O cenário trouxe incerteza ao mercado de crédito, mas também muitas oportunidades e isso se transformou em retorno para o fundo, conta Fausto Filho.

Para 2018, o gestor se mostra animado com a perspectiva de crescimento da economia brasileira e seus impactos positivos no ambiente corporativo. “O pior já ficou para trás e, independente de algumas reformas que ainda precisam ser aprovadas e que o ano eleitoral, que é cheio de incertezas”, acrescenta.

Os sequentes cortes na Selic já mostram compressão nos spreads, mas o gestor acredita que o melhor momento da economia, com cenário de juros baixos e inflação controlada, deve levar as empresas a viver um momento melhor.

“Os investidores do mercado de crédito, que financiam empresas e bancos, devem viver um momento incomparavelmente melhor do que nos últimos três anos”, diz o gestor.

Futuro do fundo O Fundo Corporate Plus Fim CP tem atualmente um patrimônio líquido R$ 162 milhões e ao chegar em R$ 300 milhões – o que deve acontecer em 12 meses, segundo cálculos do gestor -, a equipe deve fazer uma avaliação sobre a possibilidade de fechá-lo para captação.

A estratégia dos gestores de fundos em geral ao fechar a captação é manter os ganhos elevados para os cotistas. “Queremos continuar mantendo esse diferencial de retorno. Se captar muito dinheiro e não conseguir alocar, eventualmente pode acabar prejudicando os cotistas do fundo”, acrescenta Fausto Filho.

 

Últimas Notícias

Receita paga hoje as restituições do último lote do IRPF 2018
Mercado mantém estimativa de inflação em 3,71% este ano
BC anuncia que atividade econômica cresce 0,02% em outubro
Embraer e Boeing aprovam termos para fusão
Leilão da Ceal é adiado para o dia 28 de dezembro
Tesouro quitou no ano R$ 4,19 bi de estados e municípios inadimplentes
Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
Com intervenção do BC, dólar começa semana em queda

MAIS NOTICIAS

 

Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
 
 
Documentos de Ghosn são recolhidos de apartamento em Copacabana
 
 
COP24: países definem regras para implementar Acordo de Paris
 
 
Crise na Nicarágua se agrava, diz Comissão de Direitos Humanos da OEA
 
 
Regulamentação do mercado de carbono será decidida somente na COP 25
 
 
Coreia do Norte adverte EUA que sanções podem impedir desnuclearização

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212