Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Encontrada no México espécie de preguiça-gigante do final do Pleistoceno - Jornal Brasil em Folhas
Encontrada no México espécie de preguiça-gigante do final do Pleistoceno


O fundo de um profundo cenote, no meio das paradisíacas praias caribenhas do México, foi o túmulo de uma preguiça-gigante que viveu 10.000 anos antes da era cristã, durante o final do Pleistoceno, cuja descoberta foi anunciada nesta quarta-feira por cientistas mexicanos.

A nova espécie recebeu o nome científico de Xibalbaonyx oviceps, em alusão à palavra maia Xibalbá, um perigoso inframundo mitológico, representado pelas cavernas onde os restos foram encontrados, assim como aos termos onix (grego), por suas garras, e ovum (latim), pois a forma de seu crânio é similar a um ovo.

Os restos foram descobertos em 2010 pelo explorador Vicente Fito, no cenote chamado Zapote, dentro de uma área conhecida como a Rota dos Cenotes, indicou um comunicado do Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH).

O esqueleto se encontra quase completo, distribuído entre 50 e 55 metros de profundidade, e por isso se acredita que o animal caiu quando o cenote estava seco, ou possivelmente com um pouco de água a uma maior profundidade, detalhou o INAH.

Os cenotes são depósitos subterrâneos de água, localizados nos estados mexicanos de Yucatán e Quintana Roo (leste) e em outras partes da América.

O crânio e a mandíbula da preguiça, batizada de Pote, assim como nove vértebras, três ossos longos, três costelas e sete garras foram coletados em 2014, como parte de um resgate dirigido pela arqueóloga do INAH Carmen Rojas Sandoval.

As primeiras datações indicam uma antiguidade de entre 10.647 e 10.305 anos antes da era cristã, acrescentou o INAH.

Os preguiças-gigantes foram amplamente documentados na América do Sul, a partir de onde migraram para a América do Norte há nove milhões de anos, embora as rotas e relações evolutivas da espécie entre os dois continentes ainda sejam pouco compreendidas, assim como os eventuais habitats e as barreiras geográficas.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212