Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Japão recorda fim da guerra do Pacífico - Jornal Brasil em Folhas
Japão recorda fim da guerra do Pacífico


O Japão recordou nesta terça-feira a rendição do país que, há 72 anos, marcou o fim da violenta guerra do Pacífico, enquanto o primeiro-ministro fez uma doação ao santuário Yasukuni, onde são homenageados os mortos pela pátria.

Mais de 6.000 pessoas se reuniram no Nippon Budokan, no centro de Tóquio, para uma cerimônia durante a qual o imperador Akihito fez um discurso.

Sinto de novo uma profunda tristeza ao pensar em todos os que perderam a vida e em suas famílias. Ao mesmo tempo que sinto profundos remorsos, desejo sinceramente que nunca mais voltem a acontecer os estragos da guerra, afirmou.

O imperador, filho de Hirohito que reinava no Japão no período da guerra, usou pela primeira vez a expressão profundos remorsos em 2015, quando o fim da guerra completou 70 anos.

Quase 3,1 milhões de japoneses, incluindo 800.000 civis, morreram no conflito. Os países vizinhos do Japão responsabilizam o exército imperial nipônico.

O Japão se viu obrigado a anunciar uma rendição sem condições após os bombardeios atômicos americanos de Hiroshima (6 de agosto) e Nagasaki (9 de agosto), que deixaram mais de 210.000 mortos.

Os horrores da guerra não devem ser repetidos. Vamos continuar usando todas as nossas forças a serviço da paz no mundo, disse o primeiro-ministro Shinzo Abe.

Apesar do discurso, os críticos de Abe o acusam de querer modificar a Constituição pacifista que nunca foi alterada desde que entrou em vigor há 70 anos. O artigo 9 da Carta Magna, redigida pelos Estados Unidos, estabelece a renúncia do país à guerra como meio para solucionar conflitos internacionais.

Ao mesmo tempo, a ex-ministra da Defesa Tomomi Inada, conhecida por suas posições nacionalistas, assim como outros parlamentares e personalidades, visitaram nesta terça-feira o santuário patriótico Yasukuni de Tóquio, em memória das vítimas do conflito, informou a imprensa.

Como em outras ocasiões, a iniciativa pode provocar a irritação da China e da Coreia do Sul.

Local de culto xintoísta, Yasukuni Jinja homenageia as 2,5 milhões de pessoas que morreram pelo país, incluindo 14 japoneses que os Aliados condenaram como criminosos de guerra ao final do conflito.

Os nomes dos 14 condenados foram incluídos nos registros do santuário às escondidas em 1978. O gesto, divulgado posteriormente, foi considerado imperdoável pelos países vizinhos.

Shinzo Abe se limitou a fazer uma doação, como é habitual a cada data importante.

A expansão militar do Japão entre 1910 e 1945 ainda abala as relações do país com os demais países asiáticos.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212