Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Gestor de ações prefere cautela e diz que incertezas vão continuar - Jornal Brasil em Folhas
Gestor de ações prefere cautela e diz que incertezas vão continuar


SÃO PAULO – O mercado de renda variável segue com muitas incertezas no radar. Entre os pontos de atenção destacados pelo gestor Frederico Tralli, head de renda variável da BNP Asset Management, está a desvalorização das commodities na China. Caso a China opte por continuar desvalorizando sua moeda, as commodities sofrerão e, consequentemente, as economias emergentes. Todavia, os preços das commodities já se encontram em patamar bastante depreciado e vários ajustes na oferta estão em curso, disse Trali, em carta enviada aos cotistas.

Com isso, a asset optou por adotar uma postura mais cautelosa, trabalhando com posições pouco abaixo do ‘benchmark’, mas atentos caso haja uma mudança do curso.

Tralli também afirma que o mercado norte-americano está migrando para um consenso de que o juro não deve mais subir. Sendo assim, segue a máxima de acompanhar os dados econômicos para corroborar ou não esse novo cenário, aponta.

Enquanto isso no Brasil, o foco se mantém nos dados de inflação mediante novo posicionamento do Banco Central, em que se espera uma atividade cada vez mais fraca. Novos fatos no ambiente político também podem influenciar nas previsões.

Neste contexto, a opção da equipe de renda variável da asset foi por foi reduzir posições em infraestrutura e bancos, e aumentar em serviços financeiros e alimentos.

Cenário

O BNP destaca que ano começou volátil, com a China desvalorizando sua moeda e impactando diretamente as commodities dos mercados emergentes. Esse fato ampliou o medo do mercado acerca da capacidade de pagamento de dívida das empresas produtoras e aumentou aversão a risco dos investidores.

Em relação aos EUA, o gestor questiona mudança no comportamento do FED no que diz respeito ao aumento de juros e reforça a necessidade de acompanhar os dados econômicos de perto.

No Brasil, o cenário de novos escândalos podem desencadear resultados interessantes após a retomada das atividades do Legislativo. De acordo com a instituição europeia, a produção industrial veio bem abaixo da expectativa. O relatório também diz que, segundo o BACEN, não há necessidade de aumento de juros no momento.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212