Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Gestor de ações prefere cautela e diz que incertezas vão continuar - Jornal Brasil em Folhas
Gestor de ações prefere cautela e diz que incertezas vão continuar


SÃO PAULO – O mercado de renda variável segue com muitas incertezas no radar. Entre os pontos de atenção destacados pelo gestor Frederico Tralli, head de renda variável da BNP Asset Management, está a desvalorização das commodities na China. Caso a China opte por continuar desvalorizando sua moeda, as commodities sofrerão e, consequentemente, as economias emergentes. Todavia, os preços das commodities já se encontram em patamar bastante depreciado e vários ajustes na oferta estão em curso, disse Trali, em carta enviada aos cotistas.

Com isso, a asset optou por adotar uma postura mais cautelosa, trabalhando com posições pouco abaixo do ‘benchmark’, mas atentos caso haja uma mudança do curso.

Tralli também afirma que o mercado norte-americano está migrando para um consenso de que o juro não deve mais subir. Sendo assim, segue a máxima de acompanhar os dados econômicos para corroborar ou não esse novo cenário, aponta.

Enquanto isso no Brasil, o foco se mantém nos dados de inflação mediante novo posicionamento do Banco Central, em que se espera uma atividade cada vez mais fraca. Novos fatos no ambiente político também podem influenciar nas previsões.

Neste contexto, a opção da equipe de renda variável da asset foi por foi reduzir posições em infraestrutura e bancos, e aumentar em serviços financeiros e alimentos.

Cenário

O BNP destaca que ano começou volátil, com a China desvalorizando sua moeda e impactando diretamente as commodities dos mercados emergentes. Esse fato ampliou o medo do mercado acerca da capacidade de pagamento de dívida das empresas produtoras e aumentou aversão a risco dos investidores.

Em relação aos EUA, o gestor questiona mudança no comportamento do FED no que diz respeito ao aumento de juros e reforça a necessidade de acompanhar os dados econômicos de perto.

No Brasil, o cenário de novos escândalos podem desencadear resultados interessantes após a retomada das atividades do Legislativo. De acordo com a instituição europeia, a produção industrial veio bem abaixo da expectativa. O relatório também diz que, segundo o BACEN, não há necessidade de aumento de juros no momento.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212