Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Abertura da Universíade de Taipei tem espetáculo visual e protesto - Jornal Brasil em Folhas
Abertura da Universíade de Taipei tem espetáculo visual e protesto


A 29ª edição da Universíade de Verão teve uma cerimônia de abertura marcada pelo calor do clima e dos torcedores que lotaram hoje (19) o Estádio Municipal de Taipei, mas também por protestos que chegaram a bloquear a passagem de delegações que se dirigiam ao desfile. A festa que dá início à competição internacional do esporte universitário contou com fogos de artifício e um espetáculo visual de projeções e luzes, além de coreografias e atrações musicais de diversos ritmos.

A festa começou às 19h do horário de Taipei (8h no horário de Brasília). Após a abertura, a maior parte das competições terá início amanhã (20) e vão até o dia 31, reunindo milhares de atletas de mais de 100 países.

A delegação anfitriã foi apresentada como Taipei Chinesa, seguindo a nomenclatura usada pelos atletas da Ilha de Taiwan em competições olímpicas em que a China também participa. No hasteamento da bandeira dos donos da casa, foi erguida também a de Taipei Chinesa, apesar de parte dos espectadores ter levado para o estádio a bandeira de Taiwan.

O governo local reivindica independência e o nome de República da China, mas é considerado por Pequim como parte de seu território. Ao declarar abertos os jogos, entretanto, o chefe do Comitê Executivo da Universíade, Ko Wen Je, se referiu a Taiwan, assim como a presidente da ilha, Tsai Ing-wen, que declarou em inglês: Bem-vindos a Taiwan.

A delegação da China não participou da parada dos atletas e apenas competidores de esportes individuais devem disputar a Universíade.

Protesto

Durante a cerimônia, quando as delegações já estavam preparadas para a entrada no estádio, manifestantes com a bandeira de Taiwan e faixas com ideogramas invadiram uma área isolada e foram contidos pelos seguranças. Segundo a imprensa local, o protesto era contra a proposta de reforma da previdência na ilha asiática.

O embate chegou a bloquear a passagem das delegações pouco depois da passagem do Brasil, causando um buraco na parada dos atletas. Minutos depois, o desfile prosseguiu apenas com as bandeiras, mas sem as delegações que desfilariam a partir do Canadá, em ordem alfabética. Esses atletas só entraram no estádio após a passagem da última bandeira, do Zimbábue, e foram calorosamente recebidos.

Ao discursar, o presidente da Federação Internacional do Esporte Universitário (Fisu em inglês), Oleg Matysin, comentou o incidente: Desculpem pelo atraso, mas, às vezes, as melhores coisas valem a espera, disse ele. Ninguém pode parar nossos estudantes, ninguém pode parar nossa unidade e amizade.

Pira

O ponto alto da cerimônia foi o momento em que o atleta do beisebol Chen Chin-Feng encenou o rebatimento de uma bola de fogo com a qual acendeu a tocha dos jogos universitários. Chin-Feng foi o primeiro atleta local a disputar a Major League dos Estados Unidos e foi muito aplaudido ao fazer a tacada. Carregada por um cabo, a bola de fogo voou até a pira, que se acendeu e deu início a uma grande queima de fogos.

Assim como a pira dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro, a de Taipei foi projetada para iniciar um movimento cíclico com a chegada do fogo. A chama que acendeu a pira no Estádio Municipal de Taipei veio de Turim, na Itália, cidade que sediou a primeira Universíade, em 1959. Assim como no movimento olímpico, a tocha que simboliza o espírito esportivo foi carregada em um revezamento que chegou a Taipei depois de passar por cidades europeias e asiáticas. A metrópole foi escolhida para sediar os jogos em novembro de 2011.

Ao longo da cerimônia, foram exaltadas as belezas naturais, a formação cultural e a culinária taiwanesa. Com projeção de imagens no chão, a cerimônia contou a formação vulcânica da Ilha Formosa, resgatou o passado de povos tradicionais que habitaram o território e usou fogos de artifício para levantar a plateia. A indústria e a tecnologia também foram temas enaltecidos, e dançarinos içados por cabos voaram em diversos momentos da apresentação.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212