Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Venezuela: Maduro aumenta gasolina e desvaloriza bolívar diante da crise - Jornal Brasil em Folhas
Venezuela: Maduro aumenta gasolina e desvaloriza bolívar diante da crise


O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta quarta-feira o aumento na gasolina mais barata do mundo e uma desvalorização da moeda nacional, o bolívar, para enfrentar a profunda crise econômica do país.

Pela primeira vez em 20 anos, a gasolina super de 95 octanas aumentou, passando de 0,01 dólar para 0,60 dólar, anunciou o presidente em rede nacional de rádio e televisão.

Adiado várias vezes por Maduro, o aumento da gasolina era quase um tabu. Em 1989, o aumento do preço do combustível foi um dos gatilhos do Caracazo, como ficou conhecida a sangrenta convulsão social ocorrida na época.

Convoco a paz e o respeito de todas essas decisões necessárias. Chegou a hora de instalarmos um sistema que garanta o acesso aos hidrocarbonetos a preços justos, completou.

Maduro também anunciou reformas no complexo sistema cambial venezuelano que terá apenas duas bandas a partir de sexta-feira. Atualmente, são três.

O dólar para importar alimentos e remédios passou de 6,3 bolívares para 10 bolívares, o que implicou uma desvalorização de 37% da moeda nacional. A outra banda do sistema cambial será flutuante a partir dos 200 bolívares por dólar.

O sistema de câmbio será simplificado em duas bandas (...) busca estimular a produção, disse Maduro, sem dar detalhes do novo regime.

Ele também anunciou um aumento de 20% no salário mínimo, que passará de 9.600 bolívares para 11.520 bolívares.

Economistas se mostraram céticos em relação às medidas.

A Venezuela registrava uma inflação de 141,5% em termos anuais em setembro de 2015 (oficial). No ano passado, a contração econômica foi de quase 7%, e o déficit público alcançou 20%, de acordo com economistas privados, em uma conjuntura adversa pela queda dos preços do petróleo. Atualmente, a commodity se encontra abaixo de 30 dólares o barril.

Com as maiores reservas de petróleo do mundo e altamente dependente das importações, a Venezuela passa por uma seca de dólares agravada pela queda dos preços do cru. O petróleo ainda responde por 96% de suas divisas.

O presidente informou que a receita do país caiu de 42 bilhões de dólares em 2013 para 12,5 bilhões de dólares em 2015, uma queda de 70%.

Economistas independentes atribuem a falta de acesso a divisas ao regime de controle cambial adotado em 2003 pelo governo de Hugo Chávez (1999-2013). Hoje, Maduro reconheceu que este modelo está esgotado.

O novo sistema de duas bandas, que eliminou uma terceira taxa de câmbio de 13,5 bolívares para matérias-primas e insumos industriais, busca - segundo Nicolás Maduro - fazer que o país salte de uma economia rentista petroleira para um modelo produtivo.

Para o diretor da Econanalítica, Asdrúbal Oliveros, uma desvalorização ou aumento da gasolina ou de preços não são as medidas que vão tirar a Venezuela da crise. Isso requer muito mais, advertiu.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212