Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Filhos de soldado desertor dos EUA na Coreia do Norte confirmam sua morte - Jornal Brasil em Folhas
Filhos de soldado desertor dos EUA na Coreia do Norte confirmam sua morte


O último soldado americano que morava na Coreia do Norte, após desertar há mais de 50 anos, morreu em Pyongyang no ano passado, jurando fidelidade em seu leito de morte ao grande líder Kim Jong-Un, anunciaram seus filhos.

James Joseph Dresnok foi um dos poucos soldados americanos que desertaram na Coreia do Norte após a guerra da Coreia (1950-53).

Ele atravessou a zona desmilitarizada que divide a península em 1962, depois de ter sido enviado a Coreia do Sul.

Dresnok apareceu em filmes de propaganda do regime norte-coreano e era o último caso conhecido de um soldado desertor dos Estados Unidos na Coreia do Norte. Os outros já faleceram ou foram autorizados a deixar o país.

Em uma entrevista em vídeo publicada na sexta-feira pelo site norte-coreano Uriminzokkiri, Ted e James Dresnok confirmaram que o pai morreu em novembro de 2016, após sofrer um derrame cerebral.

Nosso pai estava nos braços da República e recebeu amor e cuidados do partido até sua morte, aos 74 anos, disse Ted Dreskok, o filho mais velho.

Como seu irmão, ele usava o uniforme do Exército do Povo Coreano, com uma insígnia do fundador da Coreia do Norte, Kim Il-Sung, e de seu filho e sucessor, Kim Jong-Il.

Os dois falam coreano de maneira perfeita, com um forte sotaque do Norte.

Nosso pai nos pediu para servir nosso grande líder Kim Jong-Un com devoção, completa Ted Dresnok, que também tem o nome coreano de Hong Soon-Chol.

A propósito da recente escalada retórica entre Washington e Pyongyang sobre os programas balístico e nuclear da Coreia do Norte, Ted Dresnok adverte os imperialistas americanos que estimulam uma histeria guerreira sem conhecer o exército da Coreia do Norte nem sua população.

Se uma guerra explodir, afirma, não deixaremos passar a oportunidade de apagar os Estados Unidos do mapa para sempre.

Temos nosso querido comandante supremo Kim Jong-Un, afirma James Dresnok, também chamado de Hong Chol.

Se ele está ao nosso lado, nossa vitória está assegurada.

Em 2006, James Dresnok sr., chamado de Joe, protagonizou o documentário britânico Cruzar a fronteira, no qual afirmava estar satisfeito com sua vida em Pyongyang, onde as pessoas tinham, segundo ele, em geral um nível de vida melhor do que fora da Coreia do Norte.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212