Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Como fazer transações financeiras internacionais? - Jornal Brasil em Folhas
Como fazer transações financeiras internacionais?


SÃO PAULO – Para quem tem parentes no exterior, pretende viajar ou está morando em outro país, a necessidade de realizar transações financeiras internacionais é recorrente, seja com o objetivo de enviar ou de receber recursos de fora do Brasil.

No entanto, existem taxas que devem ser avaliadas antes de decidir pela melhor opção, assim como a mais segura para transações internacionais. A Proteste explica que a escolha da melhor opção pode variar de acordo com a situação e, na maioria das vezes, será preciso considerar fatores como a periodicidade dos envios, a finalidade, a quantia, a urgência e se a pessoa que envia e a que recebe possuem conta bancária e em qual banco.

Atualmente, as opções mais comuns disponíveis no mercado são:

Cartão de débito Nesta opção, basta desbloquear a função débito e saque no exterior, ter saldo na sua conta do Brasil ou depositar em reais na conta de quem vai sacar. Além do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) de 6,38% por operação, geralmente é cobrada taxa por saque, alerta a Proteste.

Cartão de crédito Essa opção é desvantajosa porque, além do IOF de 6,38%, utiliza o câmbio no vencimento da fatura e não o do dia em que o cartão foi utilizado. Isso pode deixar suas compras mais caras do que o previsto.

Cartão pré-pago Essa opção oferece mais controle, praticidade e, ao contrário do cartão de crédito, protege contra eventuais variações cambiais após a recarga. “Todos cartões que analisamos cobram até US$ 2,7 por saque, além do IOF de 6,38% para recarga”, diz a associação de defesa do consumidor.

Dinheiro A única taxa é o IOF de 1,1%. Porém, se torna a opção menos segura em caso de perda ou roubo. Ideal para viagens de curta duração.

Swift Por meio do código Swift, quem envia e quem recebe precisa ter conta em banco. Essa alternativa custa, em média, de R$ 110 a R$ 750 e se torna mais cara, pois ambos os bancos cobram pela operação. Além dessa tarifa, ainda há a cobrança do IOF de 0,38%.

Vale lembrar que, de acordo com a legislação vigente e sob o ponto de vista de segurança, é importante estar atento que todo e qualquer pagamento ou recebimento do exterior só pode ser realizado por meio de instituições autorizadas pelo Banco Central.

 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212