Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Como fazer transações financeiras internacionais? - Jornal Brasil em Folhas
Como fazer transações financeiras internacionais?


SÃO PAULO – Para quem tem parentes no exterior, pretende viajar ou está morando em outro país, a necessidade de realizar transações financeiras internacionais é recorrente, seja com o objetivo de enviar ou de receber recursos de fora do Brasil.

No entanto, existem taxas que devem ser avaliadas antes de decidir pela melhor opção, assim como a mais segura para transações internacionais. A Proteste explica que a escolha da melhor opção pode variar de acordo com a situação e, na maioria das vezes, será preciso considerar fatores como a periodicidade dos envios, a finalidade, a quantia, a urgência e se a pessoa que envia e a que recebe possuem conta bancária e em qual banco.

Atualmente, as opções mais comuns disponíveis no mercado são:

Cartão de débito Nesta opção, basta desbloquear a função débito e saque no exterior, ter saldo na sua conta do Brasil ou depositar em reais na conta de quem vai sacar. Além do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) de 6,38% por operação, geralmente é cobrada taxa por saque, alerta a Proteste.

Cartão de crédito Essa opção é desvantajosa porque, além do IOF de 6,38%, utiliza o câmbio no vencimento da fatura e não o do dia em que o cartão foi utilizado. Isso pode deixar suas compras mais caras do que o previsto.

Cartão pré-pago Essa opção oferece mais controle, praticidade e, ao contrário do cartão de crédito, protege contra eventuais variações cambiais após a recarga. “Todos cartões que analisamos cobram até US$ 2,7 por saque, além do IOF de 6,38% para recarga”, diz a associação de defesa do consumidor.

Dinheiro A única taxa é o IOF de 1,1%. Porém, se torna a opção menos segura em caso de perda ou roubo. Ideal para viagens de curta duração.

Swift Por meio do código Swift, quem envia e quem recebe precisa ter conta em banco. Essa alternativa custa, em média, de R$ 110 a R$ 750 e se torna mais cara, pois ambos os bancos cobram pela operação. Além dessa tarifa, ainda há a cobrança do IOF de 0,38%.

Vale lembrar que, de acordo com a legislação vigente e sob o ponto de vista de segurança, é importante estar atento que todo e qualquer pagamento ou recebimento do exterior só pode ser realizado por meio de instituições autorizadas pelo Banco Central.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212