Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 EUA, México e Canadá defendem Nafta melhorado em ritmo rápido - Jornal Brasil em Folhas
EUA, México e Canadá defendem Nafta melhorado em ritmo rápido


Estados Unidos, México e Canadá concluíram neste domingo, em Washington, a primeira rodada de debates para modernizar o Nafta, o tratado de livre comércio que há 23 anos aboliu as fronteiras comerciais, comprometidos em conseguir um resultado ambicioso em negociações em ritmo rápido.

O alcance e o volume das propostas durante a primeira rodada de negociação refletem um compromisso dos três países com um resultado ambicioso e reafirma a importância de modernizar as normas que regem a maior zona de livre comércio do mundo, destacaram em um comunicado.

Desde a quarta-feira, mais de duas dúzias de temas foram postos na mesa, indicou o texto conjunto, que não detalhou o conteúdo da discussão, mas destacou a necessidade de avançar com rapidez.

Canadá, México e Estados Unidos estão comprometidos com um processo de negociação acelerado e amplo que melhorará nosso acordo e estabelecerá padrões do século XXI em benefício dos nossos cidadãos, afirmaram.

Vigente desde 1994, o Tratado de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês) abrange quase 500 milhões de pessoas e representa um quarto da economia mundial.

Segundo o anunciado, as equipes chefiadas por John Melle (Estados Unidos), Kenneth Smith (México) e Steve Verheul (Canadá) começaram a avançar um texto e acordaram apresentar comentários adicionais ou propostas alternativas nas próximas duas semanas, após consultas em nível nacional com empresários, sindicatos e representantes da sociedade civil.

A segunda rodada de conversações está prevista para 1 a 5 de setembro no México, com uma terceira no Canadá no final de setembro, uma quarta em outubro, novamente nos Estados Unidos, e adicionais planejadas para o restante do ano.

As negociações continuarão neste ritmo rápido, indicou o texto conjunto.

- Um processo difícil -

Embora ao lançar os debates os três países tenham coincidido no imperativo de renovar a Nafta, desenhado antes do auge do comércio eletrônico, a renegociação iniciada a pedido do presidente americano, Donald Trump, se antecipa complexa, em particular por sua agenda protecionista.

A questão é como revitalizar o Nafta para fortalecer a posição competitiva da região e integrar os que ficaram para trás nos benefícios da globalização?, perguntou-se na semana passada Luz María de la Mora, especialista em comércio internacional, em uma conferência organizada pelo centro de análise Wilson Center.

Crucial para a economia mexicana, que com o Nafta multiplicou exponencialmente suas vendas aos Estados Unidos, o pacto havia sido duramente questionado por Trump, que ameaçou abandoná-lo por considerá-lo um desastre para os interesses americanos.

Washington questiona o déficit de sua balança comercial com o México, que desde 1994 passou de um excedente de 1,3 bilhão de dólares a um déficit 64 bilhões de dólares. Além disso, critica a perda de empregos pela instalação de fábricas em território mexicano pela mão de obra barata.

O representante de Comércio exterior dos Estados Unidos, Robert Lighthizer, advertiu na quarta-feira que o Nafta requeria mudanças de fundo e não meros retoques cosméticos, depois de ter falhado a muitos americanos.

As opiniões do presidente sobre o Nafta - que compartilho por completo - são bem conhecidas. Quero deixar claro que ele não está interessado em um mero ajuste de algumas disposições, e uns poucos capítulos atualizados, disse.

Em contraste, em um tom mais conciliador, seus contrapartes destacaram os benefícios do pacto.

Para a ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland, que defendeu um tratado mais progressista em termos de gênero, meio ambiente e proteção dos aborígines, a renegociação é histórica

Sem deixar de reconhecer que o Nafta está à prova, o secretário de Economia do México, Ildefonso Guajardo, mostrou-se otimista.

Pode ser um processo difícil, mas estou convencido de que os benefícios que poderemos obter para nossos países justificam este e qualquer esforço, disse.

Entre os temas principais das negociações, além do desbalanço comercial e os padrões trabalhistas, está o das regras de solução de controvérsias, especialmente sensível para o Canadá por discrepâncias com os Estados Unidos pelo setor da madeira, e a espinhosa discussão sobre as normas de origem.

 

Últimas Notícias

Governadores do Nordeste fecham agenda única para levar a Bolsonaro
Marcha da Consciência Negra pede democracia, direitos e fim do racismo
Bolsonaro diz que vai seguir normas legais para indicação à PGR
Projeto que flexibiliza Lei da Ficha Limpa é arquivado do Senado
Conselho de Ética da Câmara arquiva representação contra Laerte Bessa
Reunião do Escola sem Partido é novamente suspensa em comissão mista
Eunício e equipe do futuro governo voltam a discutir cessão onerosa
Brasil encerra o ano com vitória sobre Camarões por 1 a 0

MAIS NOTICIAS

 

Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
 
 
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
 
 
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
 
 
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados
 
 
Bolsonaro confirma Mandetta para a Saúde
 
 
México habilita 26 empresas brasileiras para compra de carne de frango

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212