Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Petróleo fecha em alta, a US$ 30,66 em NY - Jornal Brasil em Folhas
Petróleo fecha em alta, a US$ 30,66 em NY


O petróleo subiu nesta quarta-feira, em Nova York, diante da maior definição da possibilidade de redução na oferta dos maiores produtores mundiais da commodity, após pronunciamentos do Irã nesse sentido.

Depois de perder quase meio dólar na terça, o barril de light sweet crude (WTI) para março ganhou US$ 1,62 e fechou a US$ 30,66 no New York Mercantile Exchange (Nymex).

Em Londres, o barril de Brent para abril aumentou US$ 2,32, a US$ 34,50.

Já em alta na abertura em Nova York, o mercado petroleiro se acelerou depois das palavras do Irã, membro da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep). Teerã disse estar disposto a apoiar uma medida que tenda a estabilizar o mercado, um dia depois de um acordo para congelar a produção entre os dois maiores produtores mundiais, Arábia Saudita e Rússia.

O mercado recompensa a Opep por chegar a um consenso mínimo, apesar de continuar sem saber o que o Irã aceitará fazer, comentou John Kilduff, da Again Capital.

O ministro iraniano do Petróleo, Bijan Namadar Zanganeh, fez esse pronunciamento por ocasião de uma reunião em Teerã com seus colegas iraquiano, venezuelano e catariano, no momento em que prevalecem as dúvidas sobre a posição da República Islâmica em relação ao acordo de terça. Caracas e Doha também anunciaram que apoiam o acerto de Riad e Moscou.

O elevado nível de produção - tanto nos Estados Unidos quanto na Opep, cartel dominado pela Arábia Saudita, ou na Rússia - contribuiu amplamente para reduzir os preços em pelo menos dois terços desde meados de 2014 e, nas última semanas, situá-los em seu piso desde 2003.

Nesse contexto, a posição do Irã é decisiva. O país, rival regional da Arábia Saudita, tem poucos motivos para aceitar congelar (ou reduzir) sua produção, no momento em que se prepara para retornar ao mercado internacional de petróleo.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212