Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Petróleo fecha em alta, a US$ 30,66 em NY - Jornal Brasil em Folhas
Petróleo fecha em alta, a US$ 30,66 em NY


O petróleo subiu nesta quarta-feira, em Nova York, diante da maior definição da possibilidade de redução na oferta dos maiores produtores mundiais da commodity, após pronunciamentos do Irã nesse sentido.

Depois de perder quase meio dólar na terça, o barril de light sweet crude (WTI) para março ganhou US$ 1,62 e fechou a US$ 30,66 no New York Mercantile Exchange (Nymex).

Em Londres, o barril de Brent para abril aumentou US$ 2,32, a US$ 34,50.

Já em alta na abertura em Nova York, o mercado petroleiro se acelerou depois das palavras do Irã, membro da Organização de Países Exportadores de Petróleo (Opep). Teerã disse estar disposto a apoiar uma medida que tenda a estabilizar o mercado, um dia depois de um acordo para congelar a produção entre os dois maiores produtores mundiais, Arábia Saudita e Rússia.

O mercado recompensa a Opep por chegar a um consenso mínimo, apesar de continuar sem saber o que o Irã aceitará fazer, comentou John Kilduff, da Again Capital.

O ministro iraniano do Petróleo, Bijan Namadar Zanganeh, fez esse pronunciamento por ocasião de uma reunião em Teerã com seus colegas iraquiano, venezuelano e catariano, no momento em que prevalecem as dúvidas sobre a posição da República Islâmica em relação ao acordo de terça. Caracas e Doha também anunciaram que apoiam o acerto de Riad e Moscou.

O elevado nível de produção - tanto nos Estados Unidos quanto na Opep, cartel dominado pela Arábia Saudita, ou na Rússia - contribuiu amplamente para reduzir os preços em pelo menos dois terços desde meados de 2014 e, nas última semanas, situá-los em seu piso desde 2003.

Nesse contexto, a posição do Irã é decisiva. O país, rival regional da Arábia Saudita, tem poucos motivos para aceitar congelar (ou reduzir) sua produção, no momento em que se prepara para retornar ao mercado internacional de petróleo.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212