Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Para nota do Brasil voltar para estável seria bom ver o PIB melhorar, diz S&P - Jornal Brasil em Folhas
Para nota do Brasil voltar para estável seria bom ver o PIB melhorar, diz S&P


SÃO PAULO - A agência de classificação de risco Standard & Poors realizou uma teleconferência na tarde desta quinta-feira (18) para comentar o corte do rating do Brasil para BB- anunciado na tarde de ontem. Entre os detalhes, a agência justificou a perspectiva negativa da nota do País por conta da atual dinâmica política e o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

De acordo com a S&P, não há um prazo para a mudança de perspectiva da nota do Brasil, sendo que para que a nota volta para estável, seria bom ver o PIB (Produto Interno Bruto) do País melhorar. Ontem, a agência citou os casos de corrupção na Petrobras como um dos fatores para o rebaixamento, e, durante a teleconferência de hoje, a S&P afirmou que vê uma alta probabilidade do governo ajudar a estatal petrolífera.

Os diretores da agência ressaltaram ainda que fizeram um ajuste das expectativas para um déficit maior este ano, que de acordo com a S&P deve ser de 8% tanto para 2016 quanto para 2017, sendo que no ano seguinte o déficit deve cair para 5% do PIB. Apesar da visão bastante negativa, a S&P projeta que o Brasil volte a crescer no ano que vem.

Além disso, a agência afirma que vê alguns retrocessos e inconsistências nas atuais políticas brasileiras, mas que irão olhar para a elaboração de novas políticas com cuidado. Por outro lado, os diretores da S&P afirmaram que o pagamento total das pedaladas fiscais foi visto como um fator positivo para o País.

Em relatório divulgado ontem, a S&P afirma que os desafios econômicos e políticos do Brasil continuam consideráveis e agora a expectativa é de um processo de ajuste mais longo. Uma correção mais lenta da política fiscal assim como outro ano de profunda contração econômica, disse a agência em relatório.

No documento, a agência ainda citou o processo de impeachment de Dilma como um fator que deve continuar atenuando o sentimento empresarial. É difícil imaginar o Brasil retomando o crescimento até que suas incertezas políticas retrocedam, disse a S&P. Quando isso acontecer, restaurar o equilíbrio macroeconômico e o avanço da reforma microeconômica será fundamental para apoiar o investimento e o crescimento, completou.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212