Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Walesa reconhece erro mas nega colaboração com polícia secreta polonesa - Jornal Brasil em Folhas
Walesa reconhece erro mas nega colaboração com polícia secreta polonesa


O ex-presidente polonês Lech Walesa, fundador do sindicato Solidariedade, voltou a negar, nesta sexta-feira, que teria sido informante do serviço secreto (SB) durante o comunismo, mas admitiu que cometeu um erro.

Não me quebraram em dezembro de 1970, nem colaborei com o SB. Nunca cobrei dinheiro nem fiz relatórios escritos ou orais, afirmou o Prêmio Nobel da Paz em um texto publicado em seu blog.

Cometi um erro, mas não como dizem. Dei minha palavra de não revelá-lo. Certamente não agora. A não ser que outros o façam. O supervisor (do assunto) segue vivo. Teria que revelar a verdade, espero que o faça. Eu tinha um coração muito terno, escreveu Walesa sem revelar mais detalhes.

Walesa foi novamente acusado de colaboração com o serviço secreto comunistas após a descoberta de documentos na casa do ex-ministro do Interior e chefe da polícia secreta, o general Czeslaw Kiszczak, morto no ano passado.

Os documentos foram obtidos pelo Instituto Polonês de Memória Nacional (IPN), que formulou a denúncia na quarta-feira em seu site.

Em seu arquivo pessoal há um envelope com um compromisso manuscrito de colaboração, assinado Lech Walesa Bolek. Entre os documentos deste arquivo, também há recibos escritos, assinados com o pseudônimo Bolek, declarou na quinta-feira à imprensa Lukasz Kaminski, diretor da instituição oficial que é responsável pela instrução de crimes nazistas e da época comunista.

No passado, Walesa, de 72 anos, reconheceu publicamente que havia assinado um papel por ordem da polícia durante uma das várias detenções que sofreu quando era um sindicalista opositor ao regime comunista.

No entanto, classificou de absurda qualquer acusação de colaboração com a polícia política.

A eventual colaboração de Walesa continua sendo um assunto polêmico na Polônia desde o início dos anos 1990, e uma fonte de polarização entre simpatizantes e opositores.

Entre seus grandes inimigos está Jaroslaw Kaczynski, líder do partido conservador Direito e Justiça (PiS), atualmente no poder na Polônia.

Em 2000, um tribunal especial absolveu Walesa de qualquer colaboração com o SB.

Mas em 2008 o IPN relançou o debate ao publicar um livro que afirmava que Walesa foi registrado como agente secreto em dezembro de 1970, e depois eliminado dos registros em junho de 1976 por falta de vontade de cooperação.

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212