Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Walesa reconhece erro mas nega colaboração com polícia secreta polonesa - Jornal Brasil em Folhas
Walesa reconhece erro mas nega colaboração com polícia secreta polonesa


O ex-presidente polonês Lech Walesa, fundador do sindicato Solidariedade, voltou a negar, nesta sexta-feira, que teria sido informante do serviço secreto (SB) durante o comunismo, mas admitiu que cometeu um erro.

Não me quebraram em dezembro de 1970, nem colaborei com o SB. Nunca cobrei dinheiro nem fiz relatórios escritos ou orais, afirmou o Prêmio Nobel da Paz em um texto publicado em seu blog.

Cometi um erro, mas não como dizem. Dei minha palavra de não revelá-lo. Certamente não agora. A não ser que outros o façam. O supervisor (do assunto) segue vivo. Teria que revelar a verdade, espero que o faça. Eu tinha um coração muito terno, escreveu Walesa sem revelar mais detalhes.

Walesa foi novamente acusado de colaboração com o serviço secreto comunistas após a descoberta de documentos na casa do ex-ministro do Interior e chefe da polícia secreta, o general Czeslaw Kiszczak, morto no ano passado.

Os documentos foram obtidos pelo Instituto Polonês de Memória Nacional (IPN), que formulou a denúncia na quarta-feira em seu site.

Em seu arquivo pessoal há um envelope com um compromisso manuscrito de colaboração, assinado Lech Walesa Bolek. Entre os documentos deste arquivo, também há recibos escritos, assinados com o pseudônimo Bolek, declarou na quinta-feira à imprensa Lukasz Kaminski, diretor da instituição oficial que é responsável pela instrução de crimes nazistas e da época comunista.

No passado, Walesa, de 72 anos, reconheceu publicamente que havia assinado um papel por ordem da polícia durante uma das várias detenções que sofreu quando era um sindicalista opositor ao regime comunista.

No entanto, classificou de absurda qualquer acusação de colaboração com a polícia política.

A eventual colaboração de Walesa continua sendo um assunto polêmico na Polônia desde o início dos anos 1990, e uma fonte de polarização entre simpatizantes e opositores.

Entre seus grandes inimigos está Jaroslaw Kaczynski, líder do partido conservador Direito e Justiça (PiS), atualmente no poder na Polônia.

Em 2000, um tribunal especial absolveu Walesa de qualquer colaboração com o SB.

Mas em 2008 o IPN relançou o debate ao publicar um livro que afirmava que Walesa foi registrado como agente secreto em dezembro de 1970, e depois eliminado dos registros em junho de 1976 por falta de vontade de cooperação.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212