Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Euro supera US$ 1,20 pela primeira vez desde janeiro de 2015 - Jornal Brasil em Folhas
Euro supera US$ 1,20 pela primeira vez desde janeiro de 2015


A cotação do euro superou nesta terça-feira a barreira de 1,20 dólar pela primeira vez desde janeiro de 2015, estimulada pelo crescimento da Eurozona ante um contexto econômico mais agitado nos Estados Unidos

O euro superou a barreira de 1,20 dólar nesta terça-feira (29), pela primeira vez desde janeiro de 2015, estimulado pela fraqueza da moeda americana diante dos desdobramentos da tempestade Harvey e do lançamento de mais um míssil norte-coreano.

Até as 9h GMT (6h em Brasília), a moeda única europeia estava cotada a 1,2062 dólar, contra 1,1978 dólar de segunda-feira. Às 8h10 GMT (5h10 em Brasília), o euro chegou a seu nível máximo desde janeiro de 2015, a 1,2070 dólar.

A divisa europeia ficou estável ante a moeda japonesa, a 130,81 ienes.

O dólar também recuava frente à divisa do Japão, a 108,45 ienes, após ter alcançado 108,34 ienes na noite de segunda-feira, seu nível mais baixo em quatro meses.

Os investidores querem ficar longe dessa moeda em posição vulnerável, após a Coreia do Norte lançar, nesta terça-feira, um míssil balístico que sobrevoou o Japão.

O míssil caiu no oceano (Pacífico), mas tocou o ânimo dos mercados, e os investidores se afastam o máximo possível do risco. Levando-se em conta onde o conflito acontece e as partes envolvidas, é o euro, mais que o dólar, que serve de valor de refúgio, explicaram os analistas da RaboBank.

Além disso, nos Estados Unidos, a tempestade Harvey está provocando inundações colossais que, entre outras consequências, paralisaram a cidade de Houston, a quarta maior do país.

Apesar de não sabermos se a tempestade terá um efeito importante na macroeconomia americana, o número de pessoas que buscam trabalho pode aumentar, o que repercutiria no dólar, considera Naeem Aslam, analista do Think Markets.

O especialistas destaca, contudo, que a queda do dólar se deve, sobretudo, ao desânimo dos investidores após a reunião de Jackson Hole, em Wyoming, nos Estados Unidos. ários diretores dos bancos centrais mais importantes do mundo participaram desse encontro na última quinta e sexta-feira.

A presidente do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos Estados Unidos), Janet Yellen, e o presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, não fizeram nenhum comentário sobre o mercado cambial, ou sobre a evolução de suas políticas monetárias.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212