Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 França: Maduro instaurou ditadura na Venezuela - Jornal Brasil em Folhas
França: Maduro instaurou ditadura na Venezuela


O presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou nesta terça-feira (29) que o governo venezuelano de Nicolás Maduro instaurou uma ditadura no país e tenta se perpetuar no poder.

Uma ditadura tenta se perpetuar a um preço humanitário sem precedentes e radicalizações ideológicas preocupantes, afirmou Macron em seu primeiro discurso de política externa diante de diplomatas franceses.

Desejo discutir com os governos da América Latina e da Europa maneiras de evitar novas escaladas, incluindo regionais, acrescentou o jovem presidente centrista, de 39 anos.

Diante de mais de 150 embaixadores franceses reunidos no Palácio do Eliseu, Macron colocou a luta contra o terrorismo no centro da diplomacia francesa e assegurou que devolverá a uma França independente sua posição no mundo.

A segurança dos franceses é a razão de ser da nossa diplomacia, esta exigência é visceral e devemos responder a ela sem esmorecer, lançou o chefe de Estado.

Estabelecendo três eixos fortes - a segurança, a independência e a influência da França -, Macron ressaltou sua vontade de ver uma França retomando sua posição entre as nações e capaz de se fazer ouvir.

Desde sua chegada ao poder em maio, o presidente se fez notar no cenário internacional com declarações que seduziram, ou irritaram, mas esta foi a primeira vez que desenhou os contornos de sua doutrina externa.

A luta contra o terrorismo islamita é a primeira prioridade de nossa política externa. Sim, eu falo de um terrorismo islamita e assumo perfeitamente o emprego deste adjetivo, declarou.

O Daesh (acrônimo em árabe do grupo Estado Islâmico) é nosso inimigo, ressaltou Macron, acrescentando que o retorno da paz e da estabilidade no Iraque e na Síria é uma prioridade vital para a França.

Macron, que havia chocado a oposição síria em junho ao dizer que não enxergava um sucessor legítimo ao presidente Bashar al-Assad, assegurou que a reconstituição de um Estado de direito na Síria deve ser acompanhada pela justiça aos crimes cometidos, principalmente pelas autoridades.

Sobre outros países onde a França está engajada nessa luta, Macron anunciou a nomeação de um enviado especial para o Sahel e a organização de uma reunião no final de setembro sobre a Líbia, à margem da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Sobre o Oriente Médio em geral, o chefe de Estado francês se recusou a escolher entre os dois rivais regionais, a Arábia Saudita sunita e o Irã xiita, e reafirmou o compromisso da França com o acordo nuclear de 2015 com Teerã.

A respeito da Europa, ele assegurou que Paris irá propor reformas após as eleições alemães. O presidente voltou a defender uma refundação do bloco em vários formatos.

Segundo Macron, o Brexit mostra que quando a Europa não passa de um mercado, ela é rejeitada.

Isso nos obriga a sermos mais inovadores: devemos pensar em uma Europa em vários formatos, ir além com aqueles que querem avançar, sem sermos travados pelos Estados que desejam avançar menos rapidamente, ou menos longe, acrescentou.

Sobre a mudança climática, enfim, Macron confirmou a realização de uma conferência internacional na capital francesa em 12 de dezembro e anunciou que trabalhará na ONU por um pacto mundial sobre o meio ambiente, sem dar mais detalhes.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212