Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Número de peregrinos do Catar a Meca despenca após crise no Golfo - Jornal Brasil em Folhas
Número de peregrinos do Catar a Meca despenca após crise no Golfo


A crise no Golfo impediu a viagem a Meca de muitos peregrinos do Catar, que acusa a vizinha Arábia Saudita de ter politizado a celebração religiosa.

Embora o governo catariano não tenha divulgado nenhum número, a Comissão Nacional de Direitos Humanos do Catar, vinculada ao governo, calculou que apenas de 60 a 70 peregrinos do pequeno emirado conseguiram viajar para a Arábia Saudita na semana passada.

As estimativas dos sauditas são maiores, e parte da imprensa menciona 1.200 fiéis procedentes do Catar.

Ainda assim, os números estão muito distantes dos 12.000 catarianos que fizeram a peregrinação no ano passado, segundo a agência oficial de notícias do Catar, a QNA.

Nas últimas semanas, a grande peregrinação muçulmana (hajj) à Meca, um dos pilares do Islã, foi o centro das divergências entre o Catar e a Arábia Saudita e seus aliados.

Riad, Emirados Árabes Unidos e Bahrein, além do Egito, romperam relações diplomáticas com o Catar em 5 de junho passado. Esses países acusaram Doha de manter vínculos com grupos extremistas e de aproximação com o Irã, o grande rival da Arábia Saudita na região.

Entre as sanções impostas ao Catar, que rejeita as acusações, está o fechamento por parte da Arábia Saudita de todas as fronteiras - terrestre, marítima e aérea - com o emirado, assim como o retorno de seus cidadãos residentes em território catariano.

Em 17 de agosto, porém, pouco antes do início do hajj, Riad fez uma sinalização ao Catar e suavizou as condições de acesso dos peregrinos deste país, especialmente através do posto de fronteira de Salwa, por onde passaram dezenas de fiéis.

Já o transporte de peregrinos catarianos em aviões sauditas, que também havia sido prometido por Riad, não aconteceu.

As autoridades catarianas não autorizaram o pouso dos aviões por falta de documentação, afirmou a agência saudita SPA, versão que foi negada pelo Catar.

Desde o início da crise no Golfo, os aviões da Qatar Airways não podem sobrevoar o espaço aéreo saudita.

A troca de farpas entre os países aumentou com as acusações do Catar sobre uma politização do hajj.

Mesmo as medidas anunciadas por Riad para suavizar as sanções provocaram uma polêmica sobre a mediação de um integrante da família real do Catar, xeque Abdallah ben Ali Al Thani, considerado por parte da imprensa como um rival do atual emir de Doha.

Ao mesmo tempo, o Catar não convocou seus cidadãos a viajarem para Meca. O governo chegou a expressar abertamente o temor de um possível assédio a seus fiéis, principalmente os que viajam sozinhos.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212