Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Cientistas desenvolvem fibra que pode gerar eletricidade, diz estudo - Jornal Brasil em Folhas
Cientistas desenvolvem fibra que pode gerar eletricidade, diz estudo


Um grupo de cientistas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul estão desenvolvendo uma fibra que pode gerar eletricidade quando é esticada ou torcida, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira.

O material, chamado de Twistron, poderia gerar corrente elétrica com o movimento das ondas do mar ou com mudanças de temperatura, indica o trabalho publicado na revista Science.

A fibra é composta de nanotubos de carbono, cilindros ocos cujo diâmetro é 10 mil vezes menor que o de um fio de cabelo.

Para gerar eletricidade, ela precisa ter sido submersa ou revestida com um material condutor de íons ou eletrólitos, que pode ser até mesmo uma mistura de água e sal.

Ao submergir as fibras de nanotubos de carbono em um banho de eletrólito, as fibras se carregam graças ao próprio eletrólito, explicou Na Li, cientistas do NanoTech Institute na Universidade do Texas, em Dallas, nos Estados Unidos.

Não são necessárias baterias externas ou voltagem, completou.

A pesquisa ainda está em etapa preliminar, e os cientistas destacaram que não pretendem desenvolver essa tecnologia para projetos de larga escala - pelo menos, por ora.

Segundo os testes de laboratório, um Twistron, que pesa menos que uma mosca comum, é o bastante para alimentar uma pena lâmpada de LED, iluminando-se a cada vez que a fibra é esticada.

Outro teste mostrou que, presas a uma peça de vestuário, as fibras podem alimentar um aparelho de respiração autônomo. Há muito interesse em usar energia mal gasta para alimentar objetos conectados, disse Li. A tecnologia Twistron poderia ser usada para situações em que não é prático trocar as baterias.

O estudo, com a Universidade de Hanyang, na Coreia do Sul, é financiado por várias agências americanas (Força Aérea, Nasa, Escritório de Investigação Naval), bem como pelo programa de cooperação entre a Força Aérea e o Ministério de Ciência sul-coreanos.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212