Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cientistas desenvolvem fibra que pode gerar eletricidade, diz estudo - Jornal Brasil em Folhas
Cientistas desenvolvem fibra que pode gerar eletricidade, diz estudo


Um grupo de cientistas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul estão desenvolvendo uma fibra que pode gerar eletricidade quando é esticada ou torcida, segundo um estudo publicado nesta quinta-feira.

O material, chamado de Twistron, poderia gerar corrente elétrica com o movimento das ondas do mar ou com mudanças de temperatura, indica o trabalho publicado na revista Science.

A fibra é composta de nanotubos de carbono, cilindros ocos cujo diâmetro é 10 mil vezes menor que o de um fio de cabelo.

Para gerar eletricidade, ela precisa ter sido submersa ou revestida com um material condutor de íons ou eletrólitos, que pode ser até mesmo uma mistura de água e sal.

Ao submergir as fibras de nanotubos de carbono em um banho de eletrólito, as fibras se carregam graças ao próprio eletrólito, explicou Na Li, cientistas do NanoTech Institute na Universidade do Texas, em Dallas, nos Estados Unidos.

Não são necessárias baterias externas ou voltagem, completou.

A pesquisa ainda está em etapa preliminar, e os cientistas destacaram que não pretendem desenvolver essa tecnologia para projetos de larga escala - pelo menos, por ora.

Segundo os testes de laboratório, um Twistron, que pesa menos que uma mosca comum, é o bastante para alimentar uma pena lâmpada de LED, iluminando-se a cada vez que a fibra é esticada.

Outro teste mostrou que, presas a uma peça de vestuário, as fibras podem alimentar um aparelho de respiração autônomo. Há muito interesse em usar energia mal gasta para alimentar objetos conectados, disse Li. A tecnologia Twistron poderia ser usada para situações em que não é prático trocar as baterias.

O estudo, com a Universidade de Hanyang, na Coreia do Sul, é financiado por várias agências americanas (Força Aérea, Nasa, Escritório de Investigação Naval), bem como pelo programa de cooperação entre a Força Aérea e o Ministério de Ciência sul-coreanos.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212