Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Sessão do Congresso é suspensa por 10 minutos após tumulto no plenário - Jornal Brasil em Folhas
Sessão do Congresso é suspensa por 10 minutos após tumulto no plenário


Asessão do Congresso Nacional desta terça-feira (20), destinada à análise de vetos presidenciais a trechos de projetos aprovados pelo Legislativo, foi suspensa por cerca de 10 minutos durante a noite após tumulto no plenário.
Parlamentares cercaram a Mesa Diretora, onde estava o presidente do Congresso, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE).

A confusão começou quando o deputado Weverton Rocha (PDT-MA) pediu a palavra para apresentar uma questão de ordem durante a votação. O senador João Alberto (PMDB-MA), que conduzia os trabalhos no momento, rejeitou a questão de ordem antes mesmo de ouvi-la.
Deputados da oposição, incluindo de PDT, PT e PV, então, começaram a protestar, afirmando que o regimento não estava sendo seguido.
Neste instante, Eunício Oliveira assumiu a cadeira de presidente da sessão e os deputados passaram a reclamar porque o peemedebista havia encerrado a votação do veto em discussão sem que todos os líderes tivessem orientado as respectivas bancadas.
Exaltado, Weverton Rocha chegou a jogar uma cópia do regimento da Câmara na direção de Eunício, mas não atingiu o senador.
Em seguida, um grupo de parlamentares subiu até a Mesa Diretora.
Policiais legislativos cercaram a cadeira de Eunício. Houve troca de empurrões entre deputados e seguranças e, também, entre os próprios parlamentares. Houve também bate-boca entre os mais exaltados.
O deputado Laerte Bessa (PR-DF), por exemplo, tentou empurrar Paulo Pimenta (PT-RS), que revidou.
Diante da confusão, Eunício Oliveira, então, suspendeu a sessão, retomada após cerca de dez minutos, com os parlamentares mais calmos.

Os vetos analisados

A sessão do Congresso foi convocada para esta terça para os parlamentares analisarem vetos do presidente Michel Temer a trechos de projetos aprovados pelo Legislativo.
O objetivo é liberar o plenário para a votação do projeto que revisa as metas fiscais de 2017 e de 2018. O texto, porém, ainda precisa ser aprovado pela Comissão Mista de Orçamento (CMO) antes de ser analisado em plenário.

Até o início da confusão, os parlamentares haviam mantido a maior parte dos vetos. Para derrubar um veto, são necessários os votos de, pelo menos, 257 deputados e 41 senadores.
Saiba abaixo os vetos analisados pelo Congresso Nacional até a última atualização desta reportagem:

DESIGNER DE INTERIORES

Os parlamentares mantiveram o veto ao trecho de uma lei que exigia que a profissão de designer de interiores só pudesse ser exercida por quem tivesse diploma em curso superior específico na área, como design de interiores, composição de interior, design de ambientes (na especificidade de interiores) e arquitetura e urbanismo. Também foi retirado da lei o trecho que dizia que o projeto do designer de interiores é considerado obra intelectual, garantidos, assim, os direitos autorais.
ORÇAMENTO DE 2017
Também foi mantido o veto a dispositivos do Orçamento de 2017 para adaptar o texto da lei ao teto de gastos do governo federal.
O veto recaía, entre outros pontos, sobre dispositivo que previa auditoria da dívida pública e também sobre dispositivos que estariam isentos de limitação orçamentária de empenho, ou seja, não poderiam ser contingenciados.

REMÉDIO FALSO

Os parlamentares concordaram em manter um veto presidencial para que fique expresso na lei que o prazo de interdição a um estabelecimento investigado por falsificação de medicamento seja no máximo de até 90 dias.
Inicialmente, a lei aprovada no Congresso estabelecia que o local ficaria interditado enquanto durasse a investigação. No entanto, o governo ponderou que a inexistência de prazo poderia representar o fim das atividades do empreendimento e criaria um “incentivo negativo”, ao não estabelecer um limite ao setor público para a conclusão do processo.

EBC

Foi mantido o veto parcial ao projeto que reestruturou a Empresa Brasil de Comunicação (EBC). O presidente Michel Temer vetou, por exemplo, a criação de uma secretaria executiva na companhia, argumentando que o dispositivo representaria geração de despesa pública. Outro veto elimina do texto a previsão de que a diretoria-executiva da EBC poderá ser ocupada por até quatro anos, sem possibilidade de recondução. Temer também vetou o dispositivo que estabelecia que o diretor-presidente, após indicação do Presidente da República, seria submetido a sabatina no Senado.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212