Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Exposição em São Paulo celebra 120 anos do nascimento de Di Cavalcanti - Jornal Brasil em Folhas
Exposição em São Paulo celebra 120 anos do nascimento de Di Cavalcanti


Pintor do cotidiano, da cultura brasileira e do samba, da sensualidade, das festas populares e dos operários, o artista Di Cavalcanti (1897-1976) ganha uma retrospectiva de sua obra na Pinacoteca de São Paulo, na capital paulista, a partir deste sábado (2).

Chamada de No subúrbio da modernidade – Di Cavalcanti 120 anos, a retrospectiva é a maior exposição já realizada desde a morte do artista, reunindo mais de 200 obras, entre desenhos, pinturas e ilustrações. A mostra poderá ser vista até 22 de janeiro e marca os 120 anos do nascimento do artista.

As obras estarão expostas em sete salas do primeiro andar da Pinacoteca e tem curadoria de José Augusto Ribeiro. O objetivo, segundo ele, é investigar como o artista desenvolveu a ideia de “arte moderna e brasileira”.

Em entrevista à Agência Brasil, o curador disse que a exposição inclui obras de 1910 a 1970, tanto emblemáticas quanto desconhecidas e também de seu início como ilustrador. Ele lembrou que a mostra privilegia as obras entre 1920 e 1950, período mais regular do trabalho do artista, que percorre diferentes vertentes: do cubismo ao surrealismo, passando pelo expressionismo e o muralismo mexicano, entre outros movimentos. “Di Cavalcanti é interessado na representação das pessoas e dos lugares em desenvolvimento e nos extratos mais baixos. Isso o singulariza no modernismo brasileiro. Ele põe os olhos na cidade e nos subúrbios e tem grande interesse pelos morros cariocas, pela zona portuária, pelos bordéis e pelas rodas de samba”, afirmou o curador.

Segundo Ribeiro, a exposição foi fruto de um grande levantamento de localização das obras e reúne trabalhos do artista que integram mais de 60 coleções públicas e particulares do Brasil e de países como o Uruguai e a Argentina.

A mostra também pretende destacar aspectos menos conhecidos da trajetória do artista, como as ilustrações e charges que fez para revistas, livros e capas de discos, além de seu engajamento político: o artista foi filiado ao Partido Comunista. “Di sempre manteve estreita essa ligação entre política e pintura. Ele foi simpatizante de grupos de esquerda, mas sua obra não é panfletária. Essa ligação política é forte, mas atravessa de maneira diferente sua obra”, observou o curador.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro terá uma série de reuniões na próxima semana em Brasília
Com pênalti controverso, Brasil vence Uruguai por um a zero
Brasil está preparado para substituir médicos cubanos, afirma Temer
Chega a quatro número de vítimas das chuvas em Belo Horizonte
Estudantes poderão renovar o Fies até o dia 23
Massoterapeuta Dani Bumbum deixa prisão no Rio
Cervejas terão rótulos com os ingredientes usados na fabricação
Temporal causa mortes e estragos em BH; adolescente está desaparecida

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212