Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Secretário propõe revisão no sistema do Orçamento sobre despesas obrigatórias - Jornal Brasil em Folhas
Secretário propõe revisão no sistema do Orçamento sobre despesas obrigatórias


O secretário de Planejamento e Assuntos Econômicos do Ministério do Planejamento, Marcos Ferrari, defendeu hoje (1º) a revisão urgente no sistema adotado para o Orçamento da União referente às despesas obrigatórias. Segundo o secretário, essas despesas impõem ao governo uma série de limites. “O recado mais claro é que precisamos avançar de forma urgente para a revisão de despesas obrigatórias”, disse durante participação no seminário A Crise Fiscal e seus Impactos sobre a Sociedade, organizado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), na sede da instituição, no Rio de Janeiro.

Ferrari disse que, por causa dos gastos obrigatórios, sobra pouca margem para o governo fazer investimentos e isso está chegando ao limite. No Projeto de Lei Orçamentária Anual 2018 (PLOA), encaminhado ontem ao Congresso, os gastos com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), que eram de R$ 26 bilhões na proposta de 2017, caiu para R$ 2 bilhões. “Naturalmente isso é inviável em termos de ciclo econômico”, disse.

Para o secretário, criou-se uma cultura de que o governo consegue resolver todas as coisas e, na realidade não é exatamente dessa forma, porque é preciso levar em consideração duas contas com variáveis entre despesas e receitas. “A dificuldade de entender o Orçamento e a política fiscal precisa ser revertida o mais rápido possível. Enquanto falávamos em educação financeira hoje precisamos falar de educação fiscal”, disse.

Ferrari acrescentou que o déficit que vem desde 2014, pelas leis vigentes, só será revertido em 2020, em um cenário em que há aumento de despesas, enquanto as receitas não acompanham o mesmo crescimento. Entre as despesas, o secretário chamou atenção para os gastos com o grande elemento de despesa pelo lado do governo, que é o Regime Geral de Previdência Social (RGPS).

“Em termos de valor, desde 2014, a despesa previdenciária do RGPS vai crescendo de forma acelerada, enquanto a receita cresce em ritmo menor. Isso vai levando a déficits contínuos. Do ano passado para este ano aumentou cerca de R$ 50 bilhões e, para o ano que vem, estamos prevendo R$ 204 bilhões. Se a gente comparar com 2013, significa multiplicar por quatro o déficit da Previdência. Em percentual do PIB, poderá chegar a 2020 com 8% do PIB a despesa com a Previdência”, informou.

Segundo o secretário, uma das dificuldades em elaborar o Orçamento da União são os gastos previdenciários, que representam mais da metade da despesa total. “Quando a gente olha o espaço que o governo tem para fazer o ajuste é muito pequeno, 97% das despesas ou são obrigatórias ou são despesas em que o governo tem menos espaço de cortar. Nós fizemos uma simulação para mostrar que sem a reforma da Previdência como ficaria a evolução dos gastos. Isso vai comprimindo a discricionária. É cortar investimento público, ter dificuldade de oferecer serviços essenciais à população, como saúde e educação, mesmo respeitando os mínimos previstos na Constituição”, disse o secretário.

IBGE

O presidente do IBGE, Roberto Olinto, disse que o contingenciamento que o governo precisa fazer para impedir gastos esbarra em ministérios que são intensivos em custeio e outros em investimentos, mas esta diferença não pode ser adotada na hora dos congelamentos dos gastos.

Olinto também defendeu mudanças no sistema de gastos obrigatórios e disse que, atualmente, a administração pública sofre um sequestro das instituições. “Estabeleceu-se um anel entre o Judiciário, o Tribunal de Contas da União, a Advocacia-Geral da União, a Defensoria Pública da União, a Controladoria-Geral da União, em que a realidade é absolutamente juridificada. A administração está truncada. Isso é uma frustração do ponto de vista do Orçamento porque não se consegue discutir comportamento isonômico, remuneração, teto variável. Ou o governo discute isso, ou vai ser muito difícil”, disse.

Ações com prazo definido

Na visão do presidente da FGV, Carlos Ivan Simonsen Leal, o Brasil enfrenta um problema de falta de planejamento de longo prazo e as ações públicas são feitas para se desenvolver durante um ciclo político, com o período de quatro anos. Isto, segundo ele, é uma das explicações dos reflexos que a crise econômica provoca na vida dos brasileiros.

Simonsen disse que não existe solução a curto prazo para a questão da meta do déficit das contas públicas. Ele estimou que a discussão da eficácia e da eficiência dos governos em nível local vai ser muito pequena para a necessidade e que é preciso enquadrar o custeio em nível Brasil, especialmente no que se refere à folha salarial. “A nossa discussão sobre política fiscal fica em números e não em processos. Temos que focar nos processos e não em instituições”.

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212