Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Justiça torna réus executivos da Gregory por uso de trabalho escravo - Jornal Brasil em Folhas
Justiça torna réus executivos da Gregory por uso de trabalho escravo


A Justiça Federal em São Paulo aceitou denúncia do Ministério Público Federal (MPF) e tornou réus os representantes legais da confecção de roupas feminina Gregory, Antonio Matos Duca e Delmira Matos Duca Giovanelli, por utilizarem trabalhadores bolivianos em condição análoga à de escravo. Além deles, também são réus na ação mais quatro pessoas proprietárias das oficinas de costura usadas pela marca.

Segundo o Ministério Público Federal em São Paulo, os estabelecimentos e oficinas de costura, localizados na capital e Região Metropolitana de São Paulo, eram contratados por fornecedores diretos da Gregory para a confecção de suas peças de vestuário, em um sistema de quarteirização da produção (quando empresas terceirizadas contratam outra empresa para que esta última execute o serviço de novas contratações). Nos locais, trabalhadores bolivianos eram submetidos a condições degradantes, jornadas exaustivas e atividades forçadas.

“A fiscalização flagrou inclusive um bebê, com um mês de vida, que dormia entre os motores de duas máquinas de costura, em um berço improvisado com caixas de papelão. A mãe, que amamentava o filho durante a jornada de trabalho, nada recebeu durante o período que ficou no hospital após o parto e, ao retornar à oficina, voltou a trabalhar imediatamente”, disse o MPF em nota.

De acordo com fiscalização realizada nas oficinas, além das péssimas condições dos alojamentos, que tinham sujeira, infiltrações, instalações sanitárias precárias e irregularidades na rede elétrica, os costureiros eram submetidos a jornadas que variavam de 14 a 17 horas por dia. Segundo o MPF, os patrões restringiam inclusive a locomoção dos trabalhadores, que só podiam deixar a oficina mediante autorização prévia.

Os seis réus vão responder pelo crime de utilizar os trabalhadores em condição análoga à de escravo. A pena prevista varia de dois a oito anos de prisão para cada vítima identificada, além do pagamento de multa.

 

Últimas Notícias

Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212