Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Visibilidade lésbica ainda é desafio para garantia de acesso a direitos - Jornal Brasil em Folhas
Visibilidade lésbica ainda é desafio para garantia de acesso a direitos


Apenas no primeiro semestre de 2017, foram registradas 82 agressões contra lésbicas no Brasil na Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, órgão vinculado ao Ministério dos Direitos Humanos. As agressões motivadas pela orientação sexual atingem inclusive crianças e adolescentes. Em 2016 e 2017, a Ouvidoria registrou, por meio de seus canais de atendimento, como o Disque 100, 21 casos de meninas que sofreram violência sexual e que associaram a violação ao fato de serem lésbicas. Os dados foram obtidos com exclusividade pela Agência Brasil.

Os números devem ser ainda maiores, pois a violência contra mulheres lésbicas ocorre, muitas vezes, dentro dos próprios lares, por ação de parentes, o que pode levar ao silencio da vítima e, consequentemente, à subnotificação. É o que explica a ouvidora Nacional de Direitos Humanos, Irina Karla Bacci, acrescentando que muitas mulheres que sofrem esse tipo de violência ainda não assumiram sua sexualidade e, por isso, evitam fazer denúncias.

“O componente da violência é ainda maior porque, associado à invisibilidade, traz um sofrimento psíquico muito grande. Muitas vezes, essas meninas e mulheres não podem contar com o respaldo familiar”, avalia.

“A invisibilidade lésbica é tão forte que até nos dados sobre violência, os casos contra lésbicas são invisíveis”, lamenta Irina. Como exemplo, ela cita o relatório lançado recentemente pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública sobre estupros no país, que não diferencia as situações pela orientação sexual da vítima, embora isso seja recorrente, dado que há atos violentos praticados como forma de “correção” do padrão sexual, além daquelas sofridas pelas mulheres, em geral.

Apenas nos últimos dois anos, a Ouvidoria registrou denúncias contra seis sites que incentivavam estupros de lésbicas, por meio do canal que mantém na internet. Para ela, esse detalhamento precisa ser feito, pois, ao conhecer melhor a violência, nós poderíamos elaborar melhores políticas públicas.

Luta por reconhecimento

Com o intuito de trazer à tona a realidade das lésbicas, o dia 29 de agosto foi consagrado como o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica. A data faz menção à realização, em 1996, do 1º Seminário Nacional de Lésbicas, que tratou da ocorrência de violações de direitos dessa população. Embora mais de 20 anos tenham se passado desde então e muito já tenha sido conquistado, como a afirmação de políticas para a população LGBT e a ampliação de seu espaço na mídia, nas instituições e nas ruas alguns desafios permanecem, inclusive o reconhecimento público da lesbianidade.

“Ainda precisamos ser vistas como pessoas com direitos. Precisamos dar visibilidade às nossas vivências, porque nós estamos em todos os lugares. Somos professoras, funcionárias públicas, domésticas, prostitutas. Nós estamos ali, só não querem nos ver”, alerta a vice-presidenta da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais (ABGLT), Heliana Hemeterio dos Santos. Para ela, essa invisibilidade está ligada à própria condição de gênero dessas pessoas. “Nós somos mulheres em uma sociedade patriarcal. Dentro desse patriarcado, as mulheres são invisibilizadas. E, no caso das lésbicas, ainda recai a ideia de que não cumprem as funções de reprodução que esse patriarcado espera das mulheres”, aponta.
Symmy Larrat

Symmy Larrat, primeira travesti a presidir a Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais(Wilson Dias/Agência Brasil)

Mesmo nos movimentos sociais esse problema persiste, na opinião de Heliana, que espera contribuir para superá-lo ao longo da gestão recém-empossada da ABGLT, da qual é parte. Pela primeira vez, a organização, que reúne mais de 300 grupos que defendem direitos LGBT no Brasil, será presidida por uma travesti, Symmy Larrat.

“O protagonismo sempre foi masculino, não podemos negar, por isso nós temos um desafio enorme que é de que as mulheres, sejam bissexuais, transexuais, travestis, ocupem lugar de protagonistas”, defende a vice-presidente da organização, que desde os anos 1980 luta pela ampliação de direitos das mulheres, especialmente das negras, e da população LGBT.

Atenção à saúde

Como parte das reivindicações dessas mulheres está a adoção de uma visão sobre saúde que considere a lesbianidade. Em 2004, a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher incluiu diversas considerações sobre o atendimento às mulheres lésbicas e suas peculiaridades. O processo de construção dessa política levou ao reconhecimento, por exemplo, da percepção das mulheres lésbicas de que o câncer de colo de útero só afeta as heterossexuais e a grande incidência de doenças sexualmente transmissíveis entre as lésbicas que trabalham com prostituição.

Apesar dessas iniciativas e das políticas voltadas à população LGBT em geral, Irina e Heliana concordam que as lésbicas ainda carecem de atenção por parte do poder público, para que tenham garantido o acesso à saúde. Heliana cita que são recorrentes os relatos de lésbicas portadoras de HIV/Aids, mas lamenta que não há levantamento oficial que explicite essa situação. Além disso, defende a necessidade de avanços no tratamento ginecológico, que ainda é pautado pela visão heteronormativa.

“Hoje em dia, você já tem médicos sensíveis à questão, mas ainda é comum que as perguntas feitas sejam sobre o tipo de contraceptivo que você está tomando e não sobre as práticas sexuais. É preciso mudar o foco da abordagem, pois é em momentos como esse que você fica de frente com a lesbofobia”, disse.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212