Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Venezuela rejeita investigação da OEA sobre crimes no país - Jornal Brasil em Folhas
Venezuela rejeita investigação da OEA sobre crimes no país


A Venezuela rejeitou nesta terça-feira que a Organização dos Estados Americanos (OEA) promova uma investigação sobre eventuais crimes contra a humanidade em seu território, denunciando que a instituição carece de autoridade.

Exigimos que se retire o nome da OEA desta atividade e que não se utilize o espaço e o pessoal da organização para atacar um estado-membro utilizando fundos ocultos e externos, declarou a representante da Venezuela, Marlene Da Silva, durante sessão do Conselho Permanente.

A OEA programou para esta semana duas audiências para avaliar se a situação de violência e repressão na Venezuela justifica uma queixa à Corte Penal Internacional (CPI) por crimes contra a humanidade.

As audiências serão conduzidas por Luis Moreno Ocampo, ex-promotor da CPI e recentemente nomeado assessor especial do secretário-geral da OEA, Luis Almagro, para questões envolvendo crimes contra a humanidade.

A iniciativa de contratar Moreno Ocampo e de realizar estas audiências carece de mandato dos estados membros da OEA, porque esta organização não tem competência para atuar como tribunal internacional, declarou Marlene Da Silva.

Não se pode utilizar esta organização para uma atividade que não representa a vontade dos estados-membros, disse Da Silva, que exigiu que o Conselho Permanente (...) seja informado do custo desta atividade.

A missão de Moreno Ocampo será facilitar, através de um processo imparcial e independente, a coleta de evidência que permita acreditar de forma razoável a comissão de crimes contra a humanidade na Venezuela, destacou a OEA na véspera.

No dia 14 de setembro haverá uma audiência pública com representantes da sociedade civil venezuelana, e na sexta-feira, 15, serão ouvidos membros das forças armadas deste país.

A informação obtida nas audiências será analisada por um painel de especialistas até 30 de outubro, quando se determinará se tem suficiente mérito para que o secretário-geral a apresente à CPI.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212