Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Pessoas com mais instrução correm menos risco de sofrer depressão (estudo) - Jornal Brasil em Folhas
Pessoas com mais instrução correm menos risco de sofrer depressão (estudo)


O risco de depressão é menor entre as pessoas com nível mais alto de instrução, aponta o informe anual da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE) sobre a educação

O risco de depressão é menor entre as pessoas com nível mais alto de instrução, aponta o informe anual da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômicos (OCDE) sobre a educação.

Segundo o relatório, indivíduos com mais diplomas têm melhores oportunidades de trabalho, o que reduz a ansiedade.

As pessoas com mais instrução têm uma taxa de mortalidade menor e uma expectativa de vida mais alta, destaca o informe Panorama da Educação 2017 da OCDE, publicado nesta terça-feira.

Os dados coletados pelo organismo mostram que a educação pode contribuir para combater a depressão.

Os indivíduos com mais instrução têm, em geral, melhores oportunidades de trabalho, o que diminui a ansiedade e a depressão.

Esta conclusão se baseia em uma pesquisa realizada em 2014 em vários países europeus, cujos resultados foram publicados este ano.

Nestes países, 8% das pessoas com idades entre 25 e 64 anos afirmam ter sofrido depressão nos últimos 12 meses. E a incidência da depressão declarada pelos interessados varia sensivelmente em função do nível de formação.

Em média, o percentual de pessoas com depressão é duas vezes maior entre os adultos sem diplomas da segunda metade do Ensino Médio (12%).

A diferença chega a 3 pontos percentuais entre as pessoas que têm um diploma de bacharel e as que têm instrução superior.

O percentual de adultos que afirmam sofrer depressão diminui sucessivamente em função do nível de formação, afirma o estudo.

A educação contribui para o desenvolvimento de uma série de habilidades, mas estas não têm o mesmo impacto sobre a depressão, diz o informe.

A construção de habilidades sociais e emocionais, como a autoestima, tem mais impacto do que a aquisição de competências matemáticas, ou literárias.

A pesquisa mostra que o percentual de mulheres que declaram sofrer depressão é superior ao dos homens, mas diminui de forma mais forte do que o dos homens em função do nível de formação.

Embora a depressão tenha múltiplas causas, seu risco aumenta com o desemprego, ou a inatividade, duas situações que podem levar à solidão e a problemas financeiros.

Aumentar o nível de capacitação dá às pessoas ferramentas melhores para lidar com este fator de risco, conclui a OCDE.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212