Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mergulhadores retiram lixo submerso no Lago Paranoá - Jornal Brasil em Folhas
Mergulhadores retiram lixo submerso no Lago Paranoá


Cerca de 2 toneladas de lixo devem ser retiradas do Lago Paranoá, em Brasília, como resultado da Semana Lago Limpo 2017, que termina neste sábado (16). O evento, realizado pela Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa) para promover a limpeza e a proteção do lago, conta com o apoio de dezenas de mergulhadores que, voluntariamente, descem às profundezas do lago para recolher aquilo que os visitantes despejam.

“O que a gente vê muito é muito lixo jogado mesmo pelas pessoas, uma total falta de consciência”, critica o mergulhador Guilherme Aguiar. Para limpar o ambiente, os mergulhadores descem com sacos plásticos, parecidos com sacos de feiras, e ficam várias horas submersos por dia. Na opinião de Guilherme, é importante mostrar “que o que elas jogam dentro da água, a partir das lanchas e até dos restaurantes, fica ali guardado, no fundo do lago, por muito tempo, poluindo tudo”. Latinhas de cervejas, garrafas e copo de plástico são alguns dos objetos mais encontrados. “São coisas que as pessoas usam na hora da diversão, mas essa diversão vira um problema para um ambiente”, alerta o mergulhador.
Brasília - Encerra, no Lago Paranoá, a semana Lago Limpo 201, uma ação de conscientização organizada pela Adasa (José Cruz/Agência Brasil)

Brasília - Para limpar o lago, os mergulhadores descem com sacos plásticos plásticos paa recolher o lixo submersoJosé Cruz/Agência Brasil

Esta é a sétima edição da semana. Na primeira, cerca de 8 toneladas de lixo foram recolhidas. Na última, em 2016, foram duas. A redução, na opinião do presidente da Adasa, Paulo Salles, é fruto do trabalho que vem sendo desenvolvido pelos órgãos públicos, bem como por mudanças no comportamento da população. “As pessoas estão ficando cada vez mais conscientes de que não devem jogar dejetos no lago”, disse, acrescentando que diversas ações de conscientização ambiental, como palestras e peças infantis, compuseram a programação do evento.

Salles comemora o fato do lago, hoje, ser utilizado pelos mergulhadores e pela população, em geral, que busca se refrescar nas águas do Paranoá, especialmente nos meses secos da capital federal, como stembro. Ele lembra que, no fim da década de 1970, a situação era completamente diferente. “O lago viveu um momento trágico”, diz. À época, o lago estava extremamente poluído, como resultado do recebimento de lixo e até de esgoto. A morte de muitos peixes e o odor que exalava chamaram a atenção da população e das autoridades, que então iniciaram o processo de despoluição do Paranoá.

Hoje, a maior parte das águas é balneável, mas algumas áreas são consideradas impróprias. No site da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal, a Caesb. Para que essa área continue limpa, a Caesb executa um programa contínuo e sistemático de observação e avaliação das características do lago. A Adasa também promove fiscalização em busca de possíveis infrações. Ao longo da semana, técnicos do órgão e militares da Polícia Militar e da Marinha também atuaram na fiscalização, em busca de captações irregulares de água e lançamentos de esgoto no lago. O balanço das ações ainda será feito e apresentado à sociedade.

Preocupação com a água

Acreditando na importância da conscientização ambiental, a estudante Meiriele Melo, de 33 anos, sempre leva os dois filhos para as atividades da Semana Lago Limpo. A participação começou com Rafaele, de 9 anos, e, depois do nascimento de Vitor, hoje com 5 anos, a turma aumentou. “Costumo vir todos os anos, para eles participarem, terem consciência sobre não jogar lixo, economizar água”.
Brasília - Encerra, no Lago Paranoá, a semana Lago Limpo 201, uma ação de conscientização organizada pela Adasa (José Cruz/Agência Brasil)

Brasília - Esta é a sétima edição da semana Lago Limpo. Na primeira, cerca de 8 toneladas de lixo foram recolhidas. Na última, em 2016, foram 2 toneladas.José Cruz/Agência Brasil

A preocupação, que Meiriele diz ser estimulada também na escola dos filhos, cresceu com o início do racionamento de água no Distrito Federal. Embora a moradora da cidade de Sobradinho não seja atingida diretamente pelo contingenciamento, ela considera que a situação mostrou a necessidade de se repensar o consumo de água, adotando novos hábitos.

Na própria infância, segundo ela, a preocupação sobre o tema não existia. “Preocupação zero, na verdade. Há trinta anos, a gente não tinha esse problema de água aqui, agora é um risco grande”, disse, enquanto, à beira do lado, as crianças brincavam enfeitando estojos feitos de garrafinhas de plástico e aguardavam a apresentação de um grupo de teatro infantil.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212