Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Polícia britânica continua atrás de outros possíveis suspeitos de atentado - Jornal Brasil em Folhas
Polícia britânica continua atrás de outros possíveis suspeitos de atentado


A Polícia britânica afirmou, neste sábado (16), que continua trabalhando com a possibilidade de haver outros suspeitos envolvidos no atentado de sexta-feira no metrô de Londres, após a prisão de um rapaz de 18 anos no porto de Dover (sudeste).

Neste estágio, continuamos estudando a possibilidade de haver um único responsável pelo ataque que fez 30 feridos, declarou Neil Basu, das unidades antiterroristas da Polícia.

Nossa prioridade (...) é identificar e localizar outros possíveis suspeitos, acrescentou.

Por volta das 7h50, a Polícia prendeu um jovem de 18 anos por susposta participação na realização, preparação ou instigação de um ato terrorista.

Poucas horas depois, fez uma batida em uma casa a 20 km de Londres, como parte das investigações sobre o atentado em uma estação de metrô da capital.

Fizemos uma detenção importante em nossa investigação esta manhã, anunciou Neil Basu, em um comunicado neste sábado.

A Polícia do condado de Kent, no sudeste da Inglaterra, deteve o suspeito na zona portuária de Dover, afirmou a força de segurança.

O jovem está em prisão preventiva em um posto da Polícia local, à espera de sua transferência para Londres, mais tarde, no mesmo dia, indicou a ministra do Interior, Amber Rudd, em uma mensagem transmitida pela televisão ao fim de uma reunião de emergência do Governo.

A ministra considerou que é muito cedo para dizer se o suspeito era conhecido das autoridades britânicas, como afirmou na véspera Donald Trump no Twitter. As declarações do presidente americano incomodaram a primeira-ministra britânica, Theresa May, que respondeu, pedindo que não especulem sobre uma investigação em curso.

- Nenhuma outra prisão -

No início da tarde, a Polícia fez uma batida em uma casa de um bairro residencial de Sunbury-on-Thames, 20 km a sudoeste de Londres. O local e as casas dos arredores foram evacuados e se estabeleceu um perímetro de isolamento no raio de 100 metros.

Nenhuma outra prisão foi efetuada, informou a Polícia.

O ataque - o quinto em seis meses no Reino Unido - aconteceu na sexta-feira (15) no horário de pico, por volta das 8h20 (4h20 de Brasília), na estação de Parsons Green, localizada em um bairro nobre no sudoeste da capital.

É uma investigação que avança muito rápido. Realizamos progressos consideráveis e continuaremos fazendo o melhor que pudermos para reduzir as ameaças no país, declarou a chefe da Polícia londrina, Cressida Dick, à BBC.

Diante do temor de outro ataque iminente, as autoridades britânicas elevaram na sexta, pela segunda vez em poucos meses, o alerta terrorista de grave para crítico, seu nível máximo.

Embora estejamos satisfeitos com os avanços conseguidos, a investigação segue em frente e o nível de ameaça permanece crítico, declarou Neil Basu no comunicado.

Cometido com um artefato de fabricação caseira e qualificado de terrorista pela Polícia, o ato foi reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

- Reforço policial -

Em pronunciamento pela televisão, May anunciou o envio de militares para locais-chave não acessíveis ao público para permitir um aumento da presença policial nos transportes públicos.

No total, 1.000 agentes foram realocados pelo país, segundo o comandante de Polícia Mark Rowley, enquanto até 1.000 militares ocuparão seu cargo a partir deste sábado em locais estratégicos. Entre os pontos selecionados, estão as centrais nucleares e outras infraestruturas importantes, comunicou o Ministério da Defesa.

Não patrulharão as ruas, esclareceu um porta-voz.

De acordo com o último balanço publicado pelos serviços de saúde, 30 feridos foram atendidos no hospital. Nenhum deles se encontra em estado grave, e muitos tiveram queimaduras. Apenas três deles permaneciam internados neste sábado.

O balanço poderia ter sido muito pior, afirma May, assegurando, na sexta-feira, que o artefato explosivo foi feito para provocar enormes danos.

Fotos divulgadas no Twitter mostravam um balde branco pouco danificado pegando fogo em uma sacola plástica, dentro de um vagão de metrô, perto das portas automáticas. Cabos elétricos saíam da sacola.

Os restos da bomba estão sendo examinados por especialistas, segundo a Polícia, que não quis comentar as informações da imprensa britânica sobre a suposta falha do detonador da bomba, ou o fato de que ela contivesse pregos e TATP, um explosivo usado pelos extremistas.

A estação de metrô de Parsons Green voltou a abrir suas portas neste sábado.

O Reino Unido sofreu nos últimos meses uma série de atentados em um contexto de aumento dos ataques extremistas na Europa.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212