Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 BNDES vai pedir que CVM se manifeste sobre eleição de novo presidente da JBS - Jornal Brasil em Folhas
BNDES vai pedir que CVM se manifeste sobre eleição de novo presidente da JBS


O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Paulo Rabello de Castro, comunicou hoje (18), por meio de nota, que solicitou à área jurídica do banco que peça à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) ou à Câmara Arbitral um posicionamento sobre a decisão tomada na reunião do conselho de administração da JBS, no sábado (16) à noite, que elegeu o fundador da companhia, José Batista Sobrinho, pai de Wesley e Joesley Batista, como novo presidente executivo da empresa.

O BNDES detém 21,3% do capital da JBS, por meio de sua subsidiária BNDES Participações. “A CVM é quem pode arbitrar. É preciso que a CVM se manifeste, com uma decisão regulatória, no sentindo de esclarecer a aplicação da Lei 6.404/76 [Lei das Sociedades Anônimas]”, disse Castro. “Nós queremos, exigimos e vamos conseguir melhor a governança nessa companhia [JBS], porque existe dinheiro do Brasil e de todos os brasileiros nela”.

O presidente do BNDES disse que não estava questionando o voto da conselheira indicada pelo banco na reunião do conselho da JBS, mas sim a convocação do encontro feita apressadamente, após a vacância do cargo na manhã do dia 13 com a prisão de Wesley Batista, que até então exercia o cargo de presidente. “Essa reunião foi feita fora de um dia útil [em um sábado à noite], foi revestida de todos os detalhes de excepcionalidade”, disse Castro. Na sua avaliação, as ações dos controladores revelam evidências do “conflito de interesses” apontado pelo banco anteriormente junto à CVM e ao Judiciário.

O BNDES cobrou que a JBS apure as responsabilidades por prejuízos causados à empresa por administradores, ex-administradores e controladores envolvidos em atos ilícitos recentes e por eles já confessados, ao mesmo tempo em que defende a boa governança na empresa, por meio da profissionalização da gestão, além da reformulação da diretoria executiva e do conselho de administração.

A preocupação, insistiu Castro na nota, é com os investimentos feitos na JBS, com os empregos e repercussões negativas no mercado pecuário. “O que nós queremos na JBS é a boa governança, assim como exigimos de todas as empresas em que o BNDES tem participação acionária. Essa é a condição básica para receber apoio financeiro do banco. A JBS está descumprindo uma obrigação nessa relação, que é ter uma governança impecável”, disse o presidente do BNDES.

Agora à noite, a diretoria do BNDES aprovou a indicação de dois nomes para representarem a instituição no conselho de administração da JBS. São o ex-presidente da Fiat Chrysler para a América Latina, Cledorvino Belini, e o empresário Roberto Penteado de Camargo Ticoulat, vice-presidente da Associação Comercial de São Paulo.

Os dois substituirão Maurício Luchetti e Claudia de Azeredo Santos, que renunciaram aos seus cargos. Luchetti renunciou no dia 30 de agosto e já não participava mais dos encontros dos conselheiros da JBS e Claudia, no dia 8 de setembro, mas fica no cargo até 9 de outubro, por isso representou o banco na reunião do dia 16.

Outro lado

Nesta segunda-feira, também em nota, a JBS esclareceu que depois dos fatos ocorridos no dia 13 (prisão do então presidente da empresa, Wesley Batista), o conselho de administração se reuniu para analisar as providências que deveriam ser tomadas, decidindo, no dia seguinte, pela convocação de uma reunião para sábado.

“A reunião realizou-se conforme convocação, a partir das 19 h, com a presença da totalidade dos conselheiros de administração que, no exercício de sua competência, entre outras providências, elegeram o novo diretor-presidente da companhia. A presença da totalidade dos membros do Conselho de Administração tornaria dispensável, até mesmo, a convocação prévia e a indicação de ordem do dia, como previsto no Artigo 18 do Estatuto Social da companhia”, diz a nota.

De acordo com fato divulgado ao mercado ontem, a JBS assegurou que “os conselheiros agiram no cumprimento de seus deveres fiduciários e, por unanimidade, tomaram a decisão que lhes pareceu ser a melhor para a companhia, seus acionistas, colaboradores e demais stakeholders [partes interessadas].”

Segundo a empresa, o Conselho de Administração, agiu “em estrita consonância com a lei e o Estatuto Social da companhia”.

A assessoria da JBS informou que a empresa não vai comentar a decisão do presidente do BNDES de questionar a decisão junto à CVM ou à Câmara Arbitral.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212