Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Grupos extremistas fortaleceram-se com Trump, dizem especialistas - Jornal Brasil em Folhas
Grupos extremistas fortaleceram-se com Trump, dizem especialistas


Instigado pelo Congresso, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, promulgou na última quinta-feira (15) uma resolução que condena supremacistas brancos no violento episódio de Charlottesville – que há um mês terminou com a morte de uma ativista antirracismo. Internamente, questiona-se qual o papel do próprio Trump no fortalecimento de grupos extremistas, já que relatórios mostram aumento de 17% dos grupos extremistas desde que ele assumiu o poder.

O levantamento foi feito pela Southern Poverty Law Center (SPLC, sigla em inglês para Centro de Lei de Pobreza do Sul, em livre tradução, uma organização não governamental, que monitora e combate a ação de grupos extremistas. A resolução bipartidária – aprovada por democratas e republicanos no Congresso – levou o presidente da República a reconhecer a participação de grupos racistas nos protestos.

O texto que Trump assinou diz que o governo norte-americano “rejeita os nacionalistas brancos, os supremacistas brancos, a Ku Klux Klan [organização racista], os neonazistas e os outros grupos que defendem o ódio”.

As mensagens enviadas por Trump na época foram contraditórias porque ele disse que os dois lados – supremacistas brancos e antirracistas - tinham culpa pelos protestos, ou que havia “erro dos dois lados”. A resolução também orienta o Departamento de Justiça a investigar com atenção os crimes de ódio.

Ao assinar a resolução do Congresso, o presidente Trump comprometeu-se com essas metas. A Agência Brasil ouviu especialistas para saber se a retórica nacionalista de Trump contribuiu para o fortalecimento de grupos raciais extremistas. Majoritariamente, analistas e grupos defensores de direitos civis acreditam que sim.

A doutora em sociologia do Instituto de Estudos Urbanos Deirdre Oakley disse à Agência Brasil que, embora as tensões raciais nunca tenham deixado de existir, alguns dos grupos se fortaleceram com Trump. “O racismo neste país é estrutural e está bem vivo desde seus primórdios. O Movimento dos Direitos Civis e a legislação apenas o fizeram mais sutil”, afirmou. Deirdree ressaltou, porém, que o que está ocorrendo é um “reagrupamento dos grupos de ódio, que se sentiam “constrangidos por Obama, porque ele era negro, e agora se sentem “fortalecidos” por Trump.

A socióloga lembrou, no entanto, que o outro lado da moeda também ressurgiu. “Trump também mobilizou um lado contra movimento, que é a sociedade civil, que está se levantando contra os radicais, até mesmo dentro de seu eleitorado e entre republicanos”.

Para Deirdree, o discurso nacionalista de Trump durante as eleições, baseado em uma leitura da insatisfação da classe média, equivalente à classe C no Brasil, contribuiu para instigar grupos que já existiam.

“Apesar dos ganhos obtidos desde o movimento dos direitos civis, os supremacistas brancos, neo-nazis e outros grupos, de alguma forma, pensam que as políticas de ação afirmativa os deixaram para trás”. Segundo a socióloga, essa ideia em parte alimenta o ódio.

Esses grupos ignoram dados empíricos, disse a pesquisadora. “Por exemplo, eles se levantam contra as minorias, sendo que o grupo que mais se beneficiou da ação afirmativa foi o das mulheres brancas”.

O professor Daniel Pasciuti, da Georgia State University, concorda que protestos como o de Charlottesville, ocorrido recentemente, são de extremistas dentro da maioria branca, insatisfeitos com os “ ganhos reais das minorias [especialmente os afro-americanos)] nos Estados Unidos”.

Na campanha, Trump se voltou para a parcela da sociedade que se ressentiu da vitória e dos avanços da agenda de Obama na área dos direitos civis. O professor exemplificou com a própria eleição de Obama, primeiro negro na Presidência dos Estados Unidos, e a aprovação do casamento gay. “Parte da população branca, historicamente privilegiada, viu sua posição econômica e política se deteriorar, ao mesmo tempo em que percebia o fortalecimento de outros grupos”.

O professor enfatizou que Trump deu voz a uma grande parte da população norte-americana que viu seu espaço ser controlado por minorias e por movimentos progressistas.

Daniel Pascuiti e Deirdre Oakley concordam que o problema agora é que Donald Trump continua a dar “cobertura” a grupos extremistas, por não coibir rapidamente suas ações. Agora mesmo, o presidente condenou formalmente a ação dos supremacistas brancos em Charlotteville somente um mês após o episódio e depois de o Congresso ter enviado uma resolução exigindo que se tomasse posição contrária.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212