Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Advogado nega intermediação de compra de terreno para o Instituto Lula - Jornal Brasil em Folhas
Advogado nega intermediação de compra de terreno para o Instituto Lula


Em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da operação Lava Jato na primeira instância, o advogado Roberto Teixeira negou hoje (19) que tenha intermediado a negociação da compra de um terreno por parte da construtora Odebrecht que seria usado como sede para o Instituto Lula.

Ao lado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e outras seis pessoas, Teixeira é réu na Lava Jato na ação que investiga a suspeita de que a Odebrecht tenha adquirido imóveis para o petista com recursos desviados de contratos superfaturados da Petrobras. Além do terreno que seria usado com sede do Instituto Lula, o processo trata da compra de um apartamento em São Bernardo do Campo (SP), vizinho ao que o ex-presidente mora desde 2002.

No depoimento, Teixeira disse que atuou como advogado de Glaucos da Costa Marques, também réu na ação penal, na compra e venda do terreno à empresa DAG.

“No momento em que lavrou-se a escritura em favor da DAG nunca mais tive qualquer relação com esse terreno e nesse negócio. Fui até o momento da lavratura da escritura. Ali, findou-se o meu trabalho jurídico, que era o que me ligava a esse assunto”, disse Teixeira a Moro. “O Instituto Lula só está relacionado à minha pessoa por conta desse trabalho jurídico que fiz nesse imóvel. Se não fosse isso, estaria fora”, acrescentou o advogado.

Teixeira disse que, em 2010, recebeu a informação sobre o terreno por meio de uma corretora amiga e que o imóvel poderia ser um bom negócio. Posteriormente, em março do mesmo ano, foi procurado pelo pecuarista José Carlos Bumlai para prestação de serviço de consultaria sobre imóveis, entre os quais o que é alvo da ação penal.

Devido ao interesse do pecuarista, Teixeira disse ter apresentado um documento de opção de compra e que depois o terreno foi comprado pelo sobrinho, Glaucos da Costa Marques. Sobre a participação da Odebrecht na negociação do terreno, Teixeira disse ter ouvido de um executivo da empreiteira que a construtora estava disposta a comprar o imóvel.

“A única coisa que eu soube é que o Paulo Melo, nessa OR [Odebrecht Realizações], que era o braço imobiliário deles, que havia entrado em contato conosco e, na hora, eles indicaram essa empresa DAG para poder lavrar os documentos”, descreveu Teixeira.

Apartamento

Sobre o apartamento vizinho ao que mora o ex-presidente Lula, Teixeira disse que indicou a compra dele a Glaucos da Costa Marques como investimento. Isso porque os responsáveis pelo espólio do antigo dono do imóvel manifestaram ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) a intenção de vendê-lo. Na época, o GSI alugava o apartamento para uso dos policiais que faziam a segurança de Lula.

“Eu auxiliei ele [Glaucos] juridicamente. Entrei em contato com o advogado do espólio locador, estabelecemos negociações jurídicas necessárias para a aquisição. Foi feito uma sessão de direitos em favor do Glaucos”, disse Teixeira.

Depois que Glaucos comprou o apartamento, ele manteve o imóvel alugado ao GSI e depois a Lula, quando o petista deixou à presidência. Perguntado por Moro sobre o pagamento dos alugueis por parte de Lula, Teixeira disse não ser responsável pela administração do imóvel. O Ministério Público suspeita que Glaucos tenha sido usado como “laranja” para ocultar a verdadeira titularidade do apartamento.

“A minha atuação foi como advogado. Somente como advogado. Não sou gestor, administrador. Sou amigo e tão somente amigo. A amizade não estende para essas outras informações todas”, afirmou.

Além de Lula e Teixeira, também são réus no processo o ex-ministro Antonio Palocci, o assessor do ministro Branislav Kontic, Paulo Melo, Demerval Galvão, Glaucos da Costa Marques e Marcelo Odebrecht. A ex-primeira-dama Marisa Letícia também constava na denúncia, mas teve o nome retirado após a morte dela.

Há duas semanas, Palocci, que negocia um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal, disse que Lula foi beneficiado pelo esquema de propina por parte da Odebrecht e que o ex-presidente teria feito um “pacto de sangue” com Emílio Odebrecht, presidente do Conselho de Administração da empreiteira. Lula e seus advogados negam as acusações.

 

Últimas Notícias

Centro está preparado para lançamento de foguete após acidente
Cidades brasileiras integram programa de preservação de florestas
MP denuncia ex-marido de corretora assassinada no Rio
Bolsonaro segue estável e internado no Hospital Albert Einstein
Goiás entra para a elite dos Estados mais competitivos do País
Petrobras eleva gasolina em 2 centavos; diesel permanece inalterado
MME faz consulta sobre planejamento da transmissão de energia elétrica
Inadimplência do consumidor subiu 3,63% em agosto

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212